Justiça determina prisão preventiva de pai que acorrentou filha de 12 anos

Homem já tinha outros processos por maus-tratos

A Justiça determinou nesta segunda-feira (6), a prisão preventiva do homem de 32 anos, que acorrentou a filha de 12 anos para que a menina não fugisse de casa. Ele já tinha outros processos por maus-tratos. A prisão do pai aconteceu, no último sábado (4).

O homem passou por audiência de custódia nesta segunda (6), quando foi determinada pela sua manutenção da prisão preventiva pelo juiz Luiz Felipe Medeiros Vieira. Informações são de que ele já tinha processos por maus-tratos desde 2015. Ele foi indiciado por cárcere privado e lesão corporal.

No último sábado (4), o homem levou a filha até o Batalhão da Polícia Militar do Coophavila, após contar aos militares que havia acorrentado a menina para evitar que ela se encontrasse com um namorado. No dia a adolescente teria contado ao pai que estaria grávida.

Mesmo acorrentada, a menina conseguiu fugir e foi encontrada pelo pai no cruzamento das ruas Marinha com Península, sendo levada para o pelotão policial. Os militares acionaram o Conselho Tutelar para acompanhar o caso e questionaram se a menina era agredida pelos pais, fato confirmado por ela. A menina tinha hematomas no braço e nas pernas e confirmou que foram provocados pelo pai.

A mãe da adolescente contou que que a menina fugiu na sexta-feira (3) e quando voltou para casa contou que estava grávida. O pai se alterou, mas a mãe começou a questionar a filha sobre como ela sabia que estava grávida. O fato acabou desmentido quando a menina disse que fez um teste no posto de saúde, já que o posto teria acionado o Conselho Tutelar e a família caso ela estivesse grávida.

Justiça determina prisão preventiva de pai que acorrentou filha de 12 anos
Mais notícias