Julgamento de pintor que matou major em frente a hotel é adiado

Foi feito o pedido de adiamento, já que dois defensores do pintor não poderiam comparecer no dia do julgamento marcado para o dia 3 de março

O julgamento do pintor Bruno da Rocha acusado de matar o major do Exército, Paulo Setterval, em Bonito a 300 quilômetros de Campo Grande, foi adiado a pedido da defesa. O adiamento foi publicado nesta sexta-feira (28). O crime aconteceu no dia 14 de abril de 2019.

No despacho da juíza Adriana Lampert o pedido é deferido depois de ser exposto pela defesa, que dois dos três defensores de Bruno não poderem comparecer ao julgamento, que estava marcado para o dia 3 de março deste ano.

A defesa também fez um pedido de desaforamento que ainda não havia sido julgado. A defesa pediu que o julgamento seja feito em comarca da região sudoeste, cidade próxima de Bonito, onde “a sociedade não estaria influenciada a condenar previamente o suposto autor do homicídio, e ainda este recurso está pendente de julgamento na Corte Superior”. Ainda não foi marcado uma nova data para o julgamento do pintor.

No dia 14 de abril de 2019, Paulo Setterval estava a passeio em Bonito com familiares, quando por voltadas 21 horas estava em frente ao hotel onde estava hospedado fumando um cigarro. Bruno que estava em uma bicicleta abordou a vítima e lhe pediu um cigarro, porém, não foi atendido. Logo em seguida, já sem a bicicleta, Bruno retornou de maneira sorrateira e ardilosa, e desferiu um golpe de faca na região torácica de Paulo, causando-lhe a morte.

Mais notícias