Jornalista assassinado na fronteira é homenageado por policiais brasileiros

Leo Veras foi assassinado com 12 tiros enquanto jantava com sua família

A Polícia Civil de Mato Grosso do Sul prestou homenagens ao jornalista assassinado Leo Veras, na noite desta quarta-feira (12) enquanto jantava com sua família em sua casa, em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã a 346 quilômetros de Campo Grande.

Em nota, a polícia lamentou a morte de Leo Veras prestando condolências e solidariedade aos familiares do jornalista. Segundo a nota emitida pela Polícia Civil, as investigações estão a cargo da polícia paraguaia, mas a polícia brasileira irá ajudar já que existe a possibilidade dos autores terem fugido para o lado brasileiro depois do crime.

O jornalista estava em sua casa jantando com sua família quando os pistoleiros chegaram e invadiram a casa. Ele tentou correr, mas foi perseguido e assassinado com 12 tiros pelas costas, sendo um na cabeça quando ele já estava caído no chão. Após o assassinato, a polícia foi até a casa do jornalista e apreendeu o celular e computador de Leo para perícia e tentativa de descobrir as razões das ameaças que vinha sofrendo.

A esposa de Leo contou à polícia que ele estava muito nervoso e tenso nos últimos dias. Ela não confirmou a polícia se ele vinha sendo ameaçado. Algumas características dos assassinos já foram repassadas para a polícia, que agora tenta encontrá-los.

Leo foi atingido por 12 tiros, sendo que um foi na cabeça pelas costas quando ele já estava caído no chão, o que demonstra que o jornalista tentou fugir dos pistoleiros. Todos os tiros foram disparados pelas costas de Leo, que chegou a ser socorrido e levado ao hospital, mas não resistiu e morreu.

Mais notícias