Homem que matou cunhado a tiros após desentendimento familiar vai a júri

Crime acontece no dia 25 de maio de 2017, em Campo Grande

O juiz Carlos Alberto Garcete de Almeida, da 1ª Vara do Tribunal do Júri de Campo Grande, pronunciou Edson Cleiton de Jesus pelo homicídio do cunhado Aleandro Pinheiro Ribeiro, ocorrido no dia 25 de maio de 2017, no Jardim Noroeste. Isso significa que o réu será levado a júri popular pelo crime. No entanto, a data do julgamento ainda não foi definida.

Consta dos autos que Edson e Aleandro eram vizinhos, e este mantinha relacionamento amoroso com a irmã do acusado. Após ser baleado pelo autor, Aleandro foi levado por familiares para a unidade de saúde do Bairro Tiradentes em parada cardiorrespiratória e com uma perfuração na altura do estômago. 

Os médicos tentaram por 30 minutos manobra de ressuscitação, e também fizeram reposição sanguínea, mas ele não resistiu. Em um primeiro momento, a esposa de Aleandro, testemunha do crime, não conseguiu contar o que havia visto por estar muito abalada com a morte. No entanto, horas depois do homicídio, ela voltou a procurar a polícia e afirmou que o assassino do marido era seu irmão, Edson.

Inconformada com o assassinato do marido, a mulher ainda ateou fogo na casa do irmão. Edson disse que agiu em legítima defesa e que vinha sendo ameaçado pela vítima. Na versão dele, foi durante uma discussão com o cunhado que o crime aconteceu. O suspeito descreveu Aleandro como violento e afirmou que durante abriga foi ameaçado com uma arma de fogo pela vítima.

Para se defender, ele teria atirado no cunhado com uma espingarda. Os dois eram vizinhos e estavam cada um no seu quintal, que não possui muro, quando o disparo foi realizado. Depois do crime, o homem fugiu e se livrou da arma, que não foi encontrada pela polícia.

Mais notícias