Delegado Obara preso na Omertà é denunciado por corrupção e obstrução da Justiça

Nesta terça-feira (14), será decidido no Tribunal de Justiça o HC de Obara

O MPMS (Ministério Público Estadual) denunciou o delegado Márcio Shiro Obara, preso na terceira fase da operação Omertà, por corrupção e obstrução da Justiça. Obara está preso desde o dia 18 de junho quando foram cumpridos 40 mandados.

Segundo o advogado de Obara, Ronaldo Franco, seu cliente foi denunciado na semana passada por obstrução da Justiça e corrupção. “O MP entendeu que o Obara cometeu estes crimes de forma episódica e não reiterada”, disse Ronaldo afirmando que o delegado não foi denunciado por organização criminosa, o que o faria pertencer ao grupo chefiado supostamente por Jamil Name e Jamil Name Filho.

Nesta terça-feira (14) deve ser julgado o habeas corpus de Obara, sendo que o relator Drº. Rui Celso deu parecer positivo para que o delegado responda ao processo em liberdade, mas o desembargador Luiz Gonzaga pediu vistas e nesta terça deve ser decidido o HC de Obara.

Propina

O delegado era investigado desde a primeira fase da Omertà, em setembro de 2019. Ele era suspeito de receber propina de R$ 100 mil para não investigar a execução de do policial da reserva e chefe da segurança da Assembleia Legislativa de em 2018.

Segundo as investigações, no dia do homicídio de Ilson Martins de Figueiredo, investigadores da DEH (Delegacia Especializada de Homicídios) teriam encontrado no carro da vítima um envelope com a inscrição “Dossiê”, com prints de uma conversa entre Ilson e alguém identificado como Padrinho.

No diálogo, é informado que a morte de Ilson foi discutida e autorizada em uma reunião em Ponta Porã, cidade onde vive Fahd. Tal interlocutor, Padrinho, alertava Ilson para que tomasse cuidado. Além disso, nas mensagens foi mencionada a morte de Betão, Alberto Aparecido Roberto Nogueira. Ele teria sido executado por estar envolvido no homicídio de Daniel Alvarez Georges, filho de Fahd Jamil, irmão de Flávio.

Investigadores chegaram a confirmar a existência dos documentos e prints, que nunca constaram nos autos do inquérito feito pelo delegado Obara. Entre outras tentativas de ocultar provas, outros materiais e documentos também não constaram no inquérito policial, confirme afirma o Gaeco.

Omertà III

O objetivo da terceira fase da Omertà foi de desbaratar organização criminosa atuante em , especialmente na região de fronteira, dedicada à prática dos mais variados crimes. Segundo o Gaeco, são crimes como tráfico de armas, homicídios, corrupção e lavagem de dinheiro. Com isso, foram cumpridos 18 mandados de prisão preventiva, 2 mandados de prisão temporária e 20 mandados de busca e apreensão nas cidades de Campo Grande, Ponta Porã, Ivinhema e, com o apoio do Gaeco de São Paulo, em Peruíbe.

Foram presos: Benevides Cândido Pereira, o Benê, o investigador da Célio Rodrigues Monteiro, o Manga Rosa, Cinthya Name Belli, também policial civil Frederico Maldonado de Arruda, o Fred, Elvis Elir Camargo Lima, o ex-deputado estadual e conselheiro do TCE-MS (Tribunal de Contas do Estado de ) , Lucas Silva Costa, o Lukinhas, Lucimar Calixto Ribeiro, o Mazinho, o delegado da Márcio Shiro Obara, Rogério Luis Phelippe e Rodrigo Betzkowski de Paula Leite, o Rodrigo Patron, todos estes alvos de Campo Grande.

Em Ponta Porã foram alvos: Fahd Jamil, o Fuad, o filho dele Flávio Correia Jamil Georges, o Flavinho, Melciades Aldana, o Mariscal, Marco Monteoliva (que estaria agora em São Paulo) e Thyago Machado Abdulahad (que estaria em Ivinhema). Mandados de prisão temporária foram expedidos contra Davison Ferreira de Farias de Campos e Paulo Henrique Malaquias de Souza, em Campo Grande. O Gaeco ainda não divulgou o balanço completo das prisões, mas sabe-se que além dos investigados na primeira fase da Omertà, foram por enquanto presos Obara e .

Delegado Obara preso na Omertà é denunciado por corrupção e obstrução da Justiça
Mais notícias