Correios estudam romper contrato com terceirizada após ‘Sedex do pó’ em MS

Veículo foi apreendido pela PF com três caixas de cocaína

Os Correios avaliam rescindir com a terceirizada que teve o caminhão usado para o tráfico de cocaína em Mato Grosso do Sul. A estatal disse à Polícia Federal que está adotando as medidas previstas em contrato que podem, inclusive, resultar na rescisão unilateral. A PF, por sua vez, informou que o veículo estava fora de operação quando houve a apreensão, motivo pelo qual entregas não foram prejudicadas.

Conforme noticiado ontem, a PF prendeu em Corumbá, a 429 quilômetros de Campo Grande, dois homens que transportavam 59 quilos de cocaína em um caminhão pertencente à empresa que presta serviço aos Correios. Um deles é o motorista da empresa e o outro é um comparsa que teria ajudado no carregamento da droga.

Segundo nota, a PF recebeu informação de quem um suspeito estaria armazenando objetos na cabine do caminhão que estava estacionado em frente a uma agência bancária da cidade. Durante buscas pelo local, a equipe flagrou o momento em que o indivíduo abriu a porta do veículo e colocou uma caixa na cabine, ocasião em que foi abordado.

Ao todo, foram encontradas três caixas com tabletes de cocaína em pó. Diante dos fatos, o motorista e o comparsa foram presos em flagrante e levados à Delegacia de Polícia Federal, onde foram autuados. Em seguida, foram encaminhados ao presídio. Conforme balanço, no ano passado a corporação apreendeu 7,4 toneladas de cocaína no estado.

Correios estudam romper contrato com terceirizada após 'Sedex do pó' em MS
Mais notícias