Com 200 policiais na fronteira, divisas de MS também são monitoradas após fuga do PCC

A princípio nenhum fugitivo foi recapturado na fronteira com o Paraguai

A fuga de 75 homens, que seriam membros do PCC (Primeiro Comando da Capital), na madrugada deste domingo (19), também resultou no reforço policial nas divisas de Mato Grosso do Sul com outros estados brasileiros. Com mais de 200 agentes das forças de segurança na fronteira, há suspeita de que os fugitivos possam ter evadido para os estados de origem.

Logo após a fuga, comunicada para a Sejusp-MS (Secretaria de Estado de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul) ainda na madrugada deste domingo, equipes policiais foram enviadas para a região de fronteira, principalmente entre Ponta Porã e Pedro Juan Caballero. Os presos fugiram do Presídio de Pedro Juan e até o momento foi confirmada a fuga de 75.

Com 200 policiais na fronteira, divisas de MS também são monitoradas após fuga do PCC
(Foto: Via WhatsApp)

Conforme o secretário Antônio Carlos Videira, apesar do foco na região de fronteira, há de se pensar que a fuga foi durante a madrugada e é possível que muitos dos detentos já tenham fugido para outras cidades de MS ou mesmo para os estados de origem. “A maioria deles é de outros estados”, afirmou.

Na região de fronteira com o Paraguai atuam mais de 200 agentes da Segurança Pública, entre policiais civis e militares, da PRE (Polícia Rodoviária Estadual), DOF (Departamento de Operações de Fronteira), Batalhão de Choque, Bope (Batalhão de Operações Policias Especiais), GPA (Grupamento de Policiamento Aéreo) com uso de helicóptero, Garras (Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros), entre outras.

A PRF (Polícia Rodoviária Federal) também intensificou o trabalho nas rodovias, mas até o momento não houve ocorrência relacionada à fuga. Segundo o secretário Videira, até por volta das 16h30 deste domingo não havia informações sobre recapturados. “Todas as ações agora são no sentido de recapturar os foragidos, que já foram identificados”, pontuou.

Os serviços de inteligência tentam obter fotos recentes dos fugitivos, para facilitar a identificação. Até o momento não houve uma manifestação oficial por parte do presidente do Paraguai sobre a fuga dos detentos, mas ministros e procuradores, além da Polícia Nacional atuam na apuração do ocorrido.

Fuga em massa e responsabilização

Com 200 policiais na fronteira, divisas de MS também são monitoradas após fuga do PCC
(Foto: Via WhatsApp)

A fuga foi anunciada por volta das 5 horas desta madrugada. A princípio 75 detentos, membros do , teriam fugido através de um túnel escavado de dentro da unidade até o lado de fora. Mais de 70 metros escavados, mais de 200 sacos de areia deixados em uma das celas da penitenciária e o fator mais questionado foi se nenhum agente penitenciário viu a fuga ou mesmo a escavação ou sequer suspeitou.

Membros da direção do presídio foram prontamente demitidos e levados para prestarem esclarecimentos, bem como os agentes que trabalhavam na penitenciária naquela madrugada. Pelo menos 28 agentes e carcereiros foram detidos e devem prestar depoimento. Imagens das câmeras de segurança teriam evidenciado que a fuga foi filmada, vista e ignorada.

O ministro Euclides Acevedo anunciou que o túnel teria sido apenas uma maneira de despistar e fingir que a fuga teria sido por ali. “O túnel é um recurso enganoso”, disse à uma rádio paraguaia. Ele chegou a declarar que os detentos teriam fugido pela porta da frente, agindo em cumplicidade com os agentes do presídio. Para o ministro, a fuga ocorreu em vários dias da última semana.

Mesmo assim, Mato Grosso do Sul só recebeu alerta da fuga nesta madrugada. Os fatos ainda são apurados.

Com 200 policiais na fronteira, divisas de MS também são monitoradas após fuga do PCC
Mais notícias