Após sequestro que terminou em morte, velório de Carla é marcado por revolta de familiares e amigos

Corpo da jovem foi encontrado pelo tio e primo em frente a uma conveniência, que fica na esquina da casa da família

A despedida de Carla Santana Magalhães de 25 anos, que acontece neste sábado (4), em Campo Grande, no Santo Amaro é marcado por grande revolta de familiares e amigos da jovem que foi encontrada morta nesta sexta-feira (3), em frente a uma conveniência na esquina da casa da família. Ela tinha sido sequestrada, no dia 30 de junho quando chegava em casa depois de ir ao mercado.

O velório de Carla é acompanhado por cerca de 70 pessoas, que estão visivelmente abaladas. A família não quis falar com a imprensa, pedindo para manter distância. Uma carreta após o sepultamento deve seguir pelas ruas da cidade, em protesto ao assassinato de Carla.

O sequestro e morte

Carla estava desaparecida desde o dia 30 de junho, quando saiu para ir a um mercado na companhia de uma amiga.  No dia do sequestro ela teria gritado por socorro. Para trás ficaram a máscara que Carla usava, o celular e os chinelos da jovem. Ela teria gritado que estava sendo sequestrada antes de ser levada. A mãe da jovem estava assistindo televisão quando ouviu os gritos e ao sair, Carla já tinha sido levada.

A polícia investigava o sequestro e imagens de câmeras de segurança que ficavam em uma já tinham sido analisadas, mas como as imagens estavam prejudicadas não tinha como ver o carro que havia levado a jovem.

Após sequestro que terminou em morte, velório de Carla é marcado por revolta de familiares e amigos
(Henrique Arakaki, Midiamax)

O corpo de Carla foi encontrado na manhã de sexta (3) por um tio e um primo que saiam para trabalhar. A jovem foi deixada nua e degolada em frente a uma conveniência, que fica na esquina da casa da família. Ela tinha mais três marcas de facadas no pescoço.

O pai da jovem, o mestre de obras, Carlos Araújo Magalhães 56 anos, disse ao Jornal Midiamax que estava trabalhando em Porto Murtinho quando recebeu a notícia de que a filha havia sido sequestrada. “No dia consegui falar com ela por duas vezes que disse que estava tudo bem”, falou Carlos.

Ex-namorado

Amigas da jovem Carla Santana Magalhães, que teve o corpo encontrado na manhã desta sexta-feira (3), em frente a uma conveniência que fica na esquina da casa da família, disseram que ela estaria ‘conhecendo’ um fotógrafo de 50 anos, com quem estava trocando mensagens, e que o ex-namorado de 56 anos estaria inconformado com o novo relacionamento.

Segundo uma amiga de Carla, em 2018 a jovem teria se relacionado com um homem de 56 anos sendo que neste ano, o homem voltou a procurar Carla querendo reatar o relacionamento, mas ela não queria reatar porque estava trocando mensagens com um fotógrafo.

As mensagens estavam sendo trocadas há cerca de 2 meses, segundo a amiga, mas eles ainda não tinham marcado nenhum encontro amoroso. Esse ex-namorado foi ouvido pela polícia em depoimento na quinta-feira (2).

Após sequestro que terminou em morte, velório de Carla é marcado por revolta de familiares e amigos
Mais notícias