Após feminicídio, devassa nos antecedentes deixa 50 guardas municipais sem porte de arma

10 guardas tiveram o porte negado por registro de ocorrências criminais recentes

Dez guardas municipais tiveram o porte de arma negados pela Polícia Federal por terem registro de ocorrência criminais recentes, e mais 40 agentes também não poderão portar armamento por inaptidão.

A relação com o nome dos guardas saiu em Diário Oficial, nesta quinta-feira (12), que também traz determinação de comunicação imediata de qualquer incidente que envolva o uso de armamento letal, que possa causar risco a terceiros ou aos agentes. A determinação de comunicação imediata foi assinada pelo secretário da SEDES (Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social) Valério Azambuja. Cerca de 400 agentes estão autorizados para o porte de arma. 

Já o porte negado aos guardas foi assinado pelo delegado da Polícia Federal, Clé Mazzoti. Os guardas que tiveram o porte negado passaram por curso para a obtenção do porte de arma, em novembro do ano passado não conseguindo a habilitação, segundo a assessoria da guarda, que afirmou não haver relação com o crime de feminicídio que aconteceu no dia 29 de fevereiro, cometido pelo guarda municipal Valtenir Pereira.

Feminicídio 

 O guarda municipal Valtenir Pereira foi preso no dia 6 de março, após matar a tiros a ex-namorada, Maxelline Santos de 28 anos e seu amigo, no dia 29 de fevereiro no bairro Jardim Noroeste. Ele ficou cindo dias foragido se escondendo em estacionamentos de supermercados e do Hospital Regional da cidade. A arma que ele usou para assassinar Maxelline foi encontrada em um terreno, no bairro Aero Rancho.

Após feminicídio, devassa nos antecedentes deixa 50 guardas municipais sem porte de arma
Mais notícias