“Velho do PCC” morre em confronto com policiais do Batalhão de Choque em Rochedo

Autor que faltava da quadrilha do Chapéu o Velho do PCC ou Andorinha morreu em confronto com policiais do Batalhão de Choque da PMMS em Rochedo

Morreu durante confronto com o Batalhão de Choque da PMMS na noite deste domingo (17) Antônio Júlio da Silva, mais conhecido como “Velho do PCC”. Ele era um dos mandantes da “quadrilha do chapéu” e também tinha o codinome de “Andorinha”. Não foram divulgados detalhes sobre a morte do autor.

Supostamente envolvido com a quadrilha que cometia roubos em comércios na região do Indubrasil, usando chapéus e armamentos pesados, Antônio Júlio da Silva estava evadido do Presídio de Segurança Máxima desde setembro. Ele trocou de cela com um colega e chegou a ser confundido no dia da fuga em que três escaparam do presídio.

‘Andorinha’ cumpria pena na Máxima na cela 101 B e no dia 22 de setembro teria convidado o interno da cela 113 B para ir até a cela dele comer carne e ‘tomar umas’. Andorinha então pediu para o preso ficar naquela cela enquanto ele ia para a 113, mas não teria contado sobre a fuga.

Na época houve confusão por conta da troca de celas, mas Antônio acabou identificado e denunciado pelo crime de dano ao patrimônio, além da evasão. Ele é apontado como o mentor intelectual da quadrilha, que teve um dos membros preso e dois mortos em confronto com a polícia na madrugada de 10 de novembro em Campo Grande.

A princípio, Andorinha estaria agindo a mando de um interno da Máxima, mas não há detalhes de quem seja o preso. Natural de Lins, cidade do interior paulista, ele acumulava passagens por roubos, furtos, porte ilegal de arma de fogo e associação criminosa desde 2000.

 

Mais notícias