Traição foi estopim para desavenças que terminaram com PM morto por colega de farda

Polícia conclui inquérito e PM será indiciado por homicídio

O policial militar ambiental Jurandir Miranda, 47 anos, morto a tiros pelo colega de farda, o policial militar Izaque Leon Neves, 33 anos, teria sido responsável pelo fim do casamento do PM. Uma traição foi o estopim para diversas desavenças entre os dois, conforme Izaque relatou durante interrogatório na manhã desta quinta-feira (31). O crime aconteceu em Aquidauana, cidade que fica a 143 quilômetros de Campo Grande.

Izaque foi interrogado pelo delegado de Aquidauana, Jackson Frederico Vale, na 5ª Delegacia de Polícia Civil, já que está preso no Presídio Militar na Capital. Conforme o delegado, o crime ocorreu após diversas desavenças entre os dois policiais. “Izaque teria se separado após descobrir a traição da esposa com o Jurandir”, contou o delegado.

Antes a esse fato, Izaque já teria encontrado mensagens que Jurandir enviava para a sua esposa, sendo que o clima começou a ficar tenso entre os dois. Segundo Izaque ‘Jurandir tinha fama de ficar mexendo com mulher’. Depois da separação do casal, Izaque contou que o policial militar ambiental o ‘afrontava’.

Na versão de Izaque, no dia do crime Jurandir passou na frente da lanchonete dele de moto. “Eles não tinham nada para conversar e ele conta que o Jurandir passou e voltou com a moto”, explica o delegado. Nesse momento, Izaque acreditava que seria morto. “Ele disse que começou a atirar porque acreditava que o Jurandir teria ido até o local mara matá-lo”, finalizou o delegado.

O delegado finaliza o inquérito nesta sexta-feira (1º) e Izaque será indiciado pelo crime de homicídio.

Mais notícias