Testemunhas depõem em novembro sobre técnico preso com pornografia infantil

Réu foi flagrado com mais de 760 mil arquivos no notebook

O juiz Bruno Cezar da Cunha Teixeira, da 3ª Vara da Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, designou para o dia 27 de novembro, às 14 horas, audiência de instrução e julgamento para oitiva das testemunhas de acusação e defesa do técnico de informática de 28 anos preso pela Polícia Civil em Campo Grande, em setembro, no âmbito da Operação Luz na Infância V.

Conforme denúncia do Ministério Federal, ele foi flagrado armazenando, trocando e disponibilizando arquivos com pornografia de crianças e adolescentes. Ao todo, eram mais de 760 mil imagens no notebook do réu. “A denúncia preenche os requisitos legais, com a qualificação do réu, demonstração da materialidade do delito e narra os fatos de maneira satisfatória, sintetizando a imputação atribuída ao agente”, disse o juiz ao receber a denúncia.

Entre as testemunhas intimadas, estão policiais da DEPCA (Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente). Em depoimento na ocasião da prisão, o técnico em informática contou que tinha o costume de baixar os vídeos com pornografia infantil há 3 anos, e que sempre fazia isso de madrugada, quando o filho estava dormindo. 

O técnico ainda contou que tinha dado ‘um tempo’ quando casou, mas depois da separação teve um momento de ‘fraqueza mental’ e voltou a praticar o crime. Na casa dele, os policiais encontraram 13 HD’s e 760 mil imagens com pornografia infantil. 

Mais notícias