Sucessor de Marcola ordenava execuções do PCC em todo país a partir de presídio em MS

O líder do PCC foi alvo da Operação Flash Back deflagrada pelo Gaeco nesta quarta-feira (27)

O alvo da Operação Flash Back, nesta quarta-feira (27) deflagrada pelo (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado), identificado como Marcelo Lima Gomes conhecido como Maré Alta, liderança do (Primeiro Comando da Capital) era o responsável por dar ordens de execução para todo o Brasil.

Maré Alta ocupou o lugar de Marcola, Marcos Willian Camacho, o líder da facção, que está preso na Penitenciária Federal de Porto Velho, em Rondônia. Ele era um dos alvos da operação para isolar líderes da facção criminosa. Informações são de que Maré Alta dava as ordens de execuções nos ‘tribunais do crime’ da facção para todo o país.

Durante a deflagração da operação, antes que policiais do Batalhão de Choque entrassem na Penitenciária de Segurança Máxima de Campo Grande, os detentos arremessaram para fora das celas vários carregadores e celulares, que foram apreendidos. No total foram cumpridos 110 mandados de prisão em oito Estados do país, Alagoas, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Pernambuco, São Paulo, Tocantins e Sergipe.

Segundo o MPAL (Ministério Público de Alagoas), a intenção da operação não é apenas apreender armas e drogas, mas principalmente isolar esses líderes da nova estrutura, que tem como característica a truculência no conhecido ‘tribunal do crime’. Normalmente, pessoas que passam pelo tribunal do crime são assassinadas, degoladas e têm as mortes filmadas e exibidas nas redes sociais.

Pelas investigações, o MPAL chegou à característica da facção, que age com frieza executando jovens e até mesmo membros que atuam de forma incoerente com o estatuto do .

Sucessor de Marcola ordenava execuções do PCC em todo país a partir de presídio em MS
Mais notícias