Esfaqueada e estuprada no Carioca segue na Santa Casa sem previsão de alta

Ainda não há data marcada para depoimento da vítima

Ainda sem previsão de alta, continua internada na Santa Casa de Campo Grande, a mulher de 31 anos, que foi esfaqueada e estuprada no dia 29 de julho no Jardim Carioca, na Capital. Ela foi esfaqueada 13 vezes e passou por quatro procedimentos cirúrgicos.

Segundo a assessoria de comunicação do hospital, ela está consciente e orientada, internada na enfermaria sem previsão de alta e novo procedimento cirúrgico. A vítima já passou por quatro cirurgias depois de ser esfaqueada no pescoço, abdômen, braços, pernas e costas, além de ser estuprada.

A delegada Joilce Ramos da Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) disse ainda não ter suspeitos para o crime e que a data para ouvir a mulher ainda não foi definida.

A vítima foi atacada na manhã do dia 29 de julho, quando pegou um caminho ermo, aos fundos do Jardim Carioca. Ela foi arrastada, esfaqueada 13 vezes e ao ser socorrida pelo Corpo de Bombeiros, disse que foi abusada sexualmente pelo homem.

Uma testemunha contou que a mulher passava por uma ponte estreita sobre um córrego na região e o suspeito estaria em uma árvore, armado com a faca. Ele abordou a vítima e a arrastou para dentro da mata, momento em que cometeu o crime. A vítima foi encontrada com as calças abaixadas e ao ser socorrida teria dito que o homem abusou dela.

Após o crime, populares passaram a divulgar as imagens de um suspeito de furto na região dizendo que ele também seria autor do estupro. O próprio suspeito do furto se entregou, afirmando que não era autor do ataque e levado para a Deam, testemunhas não o reconheceram. A delegada afirmou que foi constatado que o homem que havia se entregado não era a mesma pessoa que atacou a vítima. Diante dos fatos, ele foi liberado.

Mais notícias