Réu nega ter matado criminoso a tiros e diz não saber o motivo da denúncia

Amigo teria denunciado ele em depoimento à polícia

Valdemir Almeida dos Anjos, acusado de cometer homicídio em 6 de agosto de 2016, vai a júri popular nesta terça-feira (12) e, aos jurados, afirmou que não cometeu o crime. Ele responde ao processo pela morte de Carlos Eduardo Benites dos Santos, assassinado a tiros na frente da casa de um amigo.

Aos jurados, Valdemir alegou apenas que não participou do crime. Ele comentou que no dia dos fatos estava com um amigo quando decidiu que iria até a conveniência comprar cervejas. Eles foram até o local na Biz deste amigo, mas quando chegaram lá o rapaz disse que não queria mais beber e foi embora a pé, deixando a moto com Valdemir.

Valdemir então saiu com a motocicleta e encontrou o amigo voltando a pé, o colocou na garupa e foram até a casa da sogra deles, já que os dois namoravam duas irmãs. Apesar de ter negado o amigo dele o denunciou na delegacia e em depoimento durante o processo. Aos jurados, Valdemir afirmou não saber o motivo pelo qual o amigo o denunciou.

Nos depoimentos, o amigo de Valdemir contou que ele saiu com a Biz e disse que teria um problema se encontrasse com Carlos, a vítima. Depois, na casa da sogra deles, Valdemir teria contado que atirou a vítima, sem saber se tinha matado ou não.

Relembre o caso

Carlos Eduardo foi atingido por três tiros e morreu depois de ser socorrido e dado entrada no CRS (Centro Regional de Saúde) Nova Bahia. Ele era autor de um homicídio ocorrido em abril daquele ano, 2016, e segundo a mãe dele, estava na frente da casa de um amigo quando foi atingido pelos tiros.

Ainda segundo relato da mãe do rapaz, ele estava sentado na frente da casa quando o conhecido da família, que seria Valdemir, chegou de motocicleta e fez vários disparos de arma de fogo. Carlos foi atingido no tórax, abdômen e perna e morreu no CRS. O amigo dele chegou a ser atingido também, mas sofreu apenas os ferimentos.

Mais notícias