Pastora golpista pegava dinheiro de fiéis prometendo devolver o dobro

Claudeci Santos Almeida agia na Capital e foi presa em Ribas do Rio Pardo

Presa por  aplicar golpes em fiéis a partir de sua igreja localizada na Vila Palmira, em Campo Grande, a pastora Claudeci Santos Almeida, de 32 anos, causou prejuízo estimado em R$ 200 mil. A estelionatária explorava situação emocional vulnerável das vítimas e cobrava por orações. A suspeita é de que tenha enganado ao menos 10 pessoas, no entanto, até o momento apenas duas registraram boletim de ocorrência.

O advogado Paulo César Coelho, ex-fiel, disse ao jornal Midiamax que Claudeci abriu a igreja há aproximadamente um ano. Foi ele quem desconfiou das artimanhas da pastora e de decidiu denunciá-la. Segundo Paulo, sob a falsa justificativa de que as vítimas seriam restituídas em dobro, ela pedia altos valores no entanto, usava o dinheiro em benefício próprio. “Gastava muito com compras e roupas”, disse.

Com boa conversa e poder de persuasão, a pastora identificava pessoas que estavam passando por alguma crise financeira ou problemas pessoais e, usando de inúmeros artifícios, obtinha informações particulares sobre os alvos e depois apresentava tais informações alegando que havia descoberto por meio de intervenção divina. Ciente de que ela estava falando a verdade, alguns fiéis aceitavam as recomendações.

Claudeci passava a pedir dinheiro. “Era em média de R$ 7 mil a R$ 8 mil. Ela falava que esse dinheiro seria enviado para outros pastores que iriam orar para que esta pessoa conseguisse superar as dificuldades, e ainda prometia que o valor seria devolvido em dobro”, disse. De acordo com Paulo, uma única pessoa chegou a entregar R$ 20 mil. “Ela explorava ao máximo as dores das pessoas e oferecia uma solução religiosa”.

Prisão

Conforme nota divulgada pela Polícia Civil, ela era procurada pela justiça de Goiás e foi encontrada no assentamento Nova Mutum, na zona rural de Ribas do Rio Pardo. Durante os “atendimentos”, a pastora se aproveitava dos fiéis para pedir dinheiro, de maneira muito incisiva, afirmando ser para as obras de Deus. Vítimas relataram terem doado até R$ 20 mil a ela que se apossava dos valores.

Ou seja, apesar de se apresentar em nome da igreja, usava o dinheiro em benefício próprio. Na Capital, duas vítimas registraram boletim de ocorrência. Uma delas é uma empresária de 42 anos que diante da crise financeira, foi aconselhada a realizar uma campanha de oração. Ao todo a estelionatária cobrou R$ 7 mil pelos serviços religiosos e mais R$ 1.200 por uma porção de mirra, que segundo ela, vinha de Israel.

A segunda vítima é uma dona de casa de 38 anos que teria pago R$ 5 mil a falsa pastora por uma campanha religiosa. Além disso, a vítima ainda teria emprestado mais R$ 2 mil para a acusada, repassados via compra no cartão de crédito. A mãe da vítima também teria dado dinheiro à acusada. Presa em Ribas do Rio Pardo, Claudeci será recambiada para Campo Grande, onde deve prestar esclarecimentos à Polícia Civil.

Pastora golpista pegava dinheiro de fiéis prometendo devolver o dobro
Mais notícias