Fornecedor de drogas e armas para CV e PCC é expulso do Paraguai e já está no Brasil

Foi entregue à Polícia Federal na noite desta terça na Ponte da Amizade

Já está no Brasil o narcotraficante brasileiro Levi Adriani Felicio, preso nesta segunda-feira (14) na capital paraguaia Assunção durante a Operação Norte realizada pela Senad (Secretaria Nacional Antidrogas) do Paraguai.

Levi Adriani é apontado como principal fornecedor de armas e drogas às facções PCC (Primeiro Comando da Capital) e CV (Comando Vermelho). O ministro da Justiça, Sergio Moro, confirmou pelas redes sociais que Levi já está sob custódia das autoridades brasileiras.

“Agradecemos ao Paraguai pela entrega ao Brasil de mais um chefão do tráfico de drogas brasileiro capturado naquele país. Aqui já tem destino certo, a prisão”, publicou Sergio Moro no Twitter.

A expulsão foi feita na noite desta terça-feira (15) no departamento do Alto Paraná, vizinho a Foz do Iguaçú (PR). Ele foi levado por uma aeronave paraguaia até a fronteira com o Brasil, onde foi entregue à Polícia Federal na Ponte da Amizade. Não foi informado o local onde Levi ficará preso.

Além de Levi, também foi preso o paraguaio Marcio Gayoso “Candonga”, de 27 anos, localizado em Pedro Juan Caballero, na fronteira com o município sul-mato-grossense de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande. Marcio é tido como braço direito de Levi na logística com as organizações criminosas. “Realmente ele era quem movia tudo”, afirmou Ayala, informando da importância de Marcio na região.

Operação Norte

A região norte do Paraguai, justamente onde o país se encontra com Mato Grosso do Sul, tem continuamente sido ligada ao controle pelo narcotráfico, sendo comparada à fronteira mexicana com os EUA, que sofreu colapso na segurança pública e teve o controle totalmente assumido pelos criminosos. A operação foi deflagra por volta das 4 horas da madrugada desta segunda-feira (14), quando Levi foi preso em seu apartamento de luxo, no bairro Vila Morra.

Mais notícias