Fazendeiro de Ponta Porã ligado a Messer teria envolvimento na morte de Rafaat

Fazendeiro teria envolvimento financeiro com o assassinato do narcotraficante Rafaat

O fazendeiro brasileiro Antônio Motta de Ponta Porã, a 346 quilômetros de Campo Grande, preso durante a deflagração da Operação Patron, deflagrada no dia 19 deste mês contra organização criminosa ligada ao doleiro Dário Messer, teria envolvimento no assassinato do narcotraficante Jorge Toumani Rafaat, que foi executado em 2016.

Segundo relatório da investigação Antônio Motta teria envolvimento financeiro com o assassinato de Rafaat, que controlava o tráfico de drogas na fronteira. O narcotraficante foi assassinado com mais de 16 tiros em junho de 2016. Os autores do assassinato de Rafaat usaram armas de grosso calibre para o crime, fuzis AK 47, Mag antiaérea e metralhadoras. Os suspeitos estariam em três veículos.

O relatório ainda aponta que a família Motta tinha uma pista de aterrissagem, na fazenda Buracão, que fica do lado paraguaio para o tráfico de cocaína entre o Paraguai e a Bolívia. Sérgio Arruda, conhecido como ‘Minotauro’, líder do PCC (Primeiro Comando da Capital) também foi apontado no documento da operação.

Agendas encontradas na casa da família Motta também mostram o pagamento de propina para agentes do Senad do Paraguai e para policiais, segundo o site ABC Color. Um dos membros da família Motta aparece em fotos posando com armas, que foram comercializadas posteriormente os ligando ao tráfico de armas.

Em uma das páginas do documento encontrado na casa do fazendeiro tinha a descrição do pagamento de US$ 5 mil ao senado e US$ 2 mil a investigadores, além de US$ 1 mil para Interpol. Também foram encontradas anotações de despesas com blindagem de um carro, que a polícia acredita ser o Dodge Ram apreendido no dia da operação na casa do fazendeiro. Antônio chegou a emprestar a residência para Dario Messer, o doleiro dos doleiros que ficou foragido em território paraguaio.

Durante a operação foram cumpridos 37 mandados sendo 16 mandados de prisão preventiva, 3 mandados de prisão temporária e 18 mandados de busca e apreensão, cumpridos nas cidades de Rio de Janeiro e Armação dos Búzios, grande São Paulo e Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, na fronteira com o Paraguai, no dia 19 deste mês.

Nome dos presos

Dario Messer, Alcione Maria Mello de Oliveira Athayde, Roland Pascal Gerbauld, Lucas Lúcio Mereles Paredes, Luiz Carlos de Andrade Fonseca, Felipe Corgono Alvarez, José Fermin Valdez Gonzalez, Maria Letícia Bobeda Andrada, Cecy Mendes Gonçalves da Mota, Orlando Mendes Gonçalves Stedile, Myra de Oliveira Athayde, Arleir Francisco Bellieny, Roque Fabiano Silveira, Najun Azario Flato Turner, Valter Pereira Lima, Edgar Ceferino Aranda Franco, Jorge Alberto Ojeda Segovia, Antônio Joaquim da Mota, Antônio Joaquim Mendes Gonçalves da Mota e Horácio Manuel Cartes Jara.

Mais notícias