STJ nega recurso e ex que matou mulher com tiro na cabeça vai a júri popular

Yara foi morta na frente do filho após se recusar a mostrar celular ao ex-marido

Foi negado o recurso pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça) a Edson Aparecido Oliveira Rosa acusado de matar com um tiro na cabeça a ex-mulher, Yara Macedo dos Santos, de 30 anos. Ele deverá ir a júri popular pelo assassinato.

O julgamento do recurso aconteceu a última quinta-feira (15), e foi negado por unanimidade. A defesa de Edson já havia anteriormente tentado alegar insanidade mental, mas foi negado pelo juiz César de Souza Lima da 3ª Vara Criminal de Dourados a realização de exames.

Edson matou a ex-mulher no dia 25 de junho de 2018, na frente do filho. Yara e o filho seguiam de bicicleta, quando o autor se aproximou em uma motocicleta e começou a agredir a vítima com socos no rosto. Em seguida, ele sacou um revólver e efetuado o disparo que atingiu a mulher no rosto. O crime aconteceu depois da vítima se negar a mostrar o celular ao autor. 

O adolescente contou que chegou a correr atrás do acusado, que estava na companhia de outra pessoa na motocicleta, mas não conseguiu alcançá-lo. Segundo o jovem, eles estavam em uma moto de cor escura, com os aros na cor-de-rosa. Yara chegou a ser socorrida pelo Samu (Serviço de Atendimento Móvel de Urgência) e levada para o Hospital da Vida, mas não resistiu aos ferimentos e morreu.

Após o crime, Edson tentou fugir e acabou preso em Sidrolândia quando tentava embarcar para Campo Grande. Yara tinha medidas protetivas contra o ex-marido.

Mais notícias