Escutas telefônicas apontam uso de viatura da PRF na ‘escolta’ de contrabando em MS

Justiça manteve prisão de policial suspeito de ajudar contrabandistas de cigarros

O pedido feito pela defesa de Moacir Ribeiro da Silva Netto, policial rodoviário federal, preso durante a deflagração da Operação Trunk, em 31 de julho foi negado pela Justiça Federal. Ele é apontado como membro ativo da quadrilha de contrabando de cigarros em Mato Grosso do Sul.

O MPF (Ministério Público Federal) manteve a prisão de Moacir afirmando que ele tinha papel atuante na organização criminosa, agindo como batedor para a quadrilha. O policial era lotado no posto de Rio Brilhante, e em muitas vezes teria usado a viatura da PRF para fazer o ‘trabalho’ para a quadrilha saindo do seu posto, quando era contatado pelos integrantes da organização criminosa.

Em despacho, o MPF argumenta que no dia 10 de maio quando estava de serviço foi acionado pela organização criminosa para ajudar o comboio a passar com o contrabando, sendo que ao ser procurado pelos colegas no posto para dar apoio a operação não foi encontrado, e sem celular funcional estava desligado.

(Arte: Marcos Ermínio, Midiamax)

Moacir tinha o apelido de ‘Theo’, ‘Tio’ ou ‘Netto’, dado pelos membros da quadrilha. 16 envolvidos no esquema foram denunciados pela 3ª Vara Federal de Campo Grande no esquema contrabando de cigarro desarticulado pela Polícia Federal.  De acordo com o Ministério Público Federal, policiais corruptos eram peça chave da organização por facilitarem a passagem de cargas. O grupo dispunha, inclusive, de núcleo de cooptação de policiais.

Entre os policiais denunciados estão os PRFs Moacir Ribeiro da Silva Neto e Alaércio Dias Barbosa.  Além deles, outros policiais também serão investigados por prestavam serviços aos contrabandistas como motorista, “olheiros”, “mateiros” e “batedores”. Por este motivo, a Justiça Federal deferiu desmembramento e remessa do processo, como compartilhamento de provas, à Justiça Militar Estadual para apurar a participação de policiais militares.

Mais notícias