Brasileiros que tentaram resgatar chefe do CV no Paraguai são condenados

Brasileiros que tentaram resgatar o traficante Marcelo Piloto no Paraguai, uma das lideranças do CV (Comando Vermelho) na fronteira, foram condenados a cinco anos de prisão. O julgamento foi realizado nesta segunda-feira, no país vizinho. 

A defesa de Marisa de Souza Penna, noiva de Marcelo Piloto, Thiago Lucas Gonçalves, Juárez Italo Paiva Filho, Wanderson Ferreira de Paula Silva e Alan Neves da Conceição, recorreram para que eles possam cumprir as respectivas penas no Brasil.

Segundo decisão da juíza Lici Sánchez, enquanto o recurso é julgado, Marisa segue presa na “Casa del Buen Pastor”, em Assunção, e os demais no presídio do distrito de Emboscada. Os bens do grupo foram apreendidos e estão sob tutela judicial.

Conhecido por chefiar o tráfico no Morro do Urubu, em Pilares,na zona norte do Rio de Janeiro, Marcelo Piloto era ladrão de carros e fugiu para o Paraguai em 2012, onde firmou raízes do CV e passou a coordenar também a distribuição de entorpecentes e armas.

Em 13 de dezembro de 2017, ele foi preso em Ecarnación. A partir de então, houveram diversas tentativas de resgate, até que fosse enviado para o Brasil. Os condenado nesta segunda-feira planejavam retirá-lo da prisão enquanto ele ainda estava no país vizinho, mas foram descobertos antes mesmo que pudessem colocar o plano em prática.

Mais notícias