Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Família ainda espera DNA para saber se corpo encontrado há 1 mês é de Jhon

Jovem desapareceu no Bairro Zé Pereira 

A família de John Hudson dos Santos Marques, de 27 anos,ainda aguarda resultado de exame de DNA para saber se corpo encontrado pela Polícia Civil de Terenos no dia 22 do mês passado é o do jovem desaparecido desde o dia 14 de fevereiro no Bairro Zé Pereira, em Campo Grande.

De acordo com Jhonathan Marques, irmão da vítima, a expectativa é de que o resultado do exame feito pelo pai de John há 10 dias, fique pronto na semana que vem. “Nos disseram que o resultado leva mais ou menos 15 dias para ficar pronto e estamos esperando. Até agora tudo é incerto”, disse.

No último dia 12, o pai de Jhon foi até o Imol (Instituto de Medicina E Odontologia Legal) para fazer a coleta do material genético que será comparado ao do corpo encontrado em um estrada vicinal entre o distrito de Indubrasil e Terenos.

Corpo encontrado

Informações do Boletim de Ocorrência revelam que o corpo foi encontrado no dia 22 do mês passado, no entanto, a família diz que foi avisada sobre o achado somente na sexta-feira (9), depois de suspeito de 19 anos ser preso e ter confessado participação no homicídio de Jhon. “Eles disseram pra gente que encontraram na sexta-feira, mas tão falando que foi antes. Não sabemos nada de concreto”, afirma o irmão da vítima.

No último dia 9,, suspeito conhecido como “BMW”, que já era investigado, indicou o lugar onde a morte teria acontecido e lá, equipe de investigação descobriu que o corpo já havia sido encontrado semanas antes e levado por equipe da Polícia Civil de Terenos, já que a área já não era mais de responsabilidade da polícia da Capital.

Por este motivo, a suspeita é de que investigadores de Campo Grande que já apuraram o sumiço da vítima não foram informados do corpo encontrado pela equipe da cidade vizinha.

Entramos em contato com o delegado Fábio Leite, titular da delegacia de Terenos, que não quis comentar sobre o desencontro nas datas informadas. Não conseguimos contato com Márcio Obara, titular da DEH (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídio) de Campo Grande, que investiga o desaparecimento de Jhon.

O desaparecimento

John estava em casa com sua namorada, quando disse que iria para frente da residência fumar um cigarro e desde então desapareceu. Ele saiu apenas com celular e sem documentos. No momento do desaparecimento estava sem camisa, usava bermuda jeans e chinelo na cor azul.

Após meia hora de seu desaparecimento, três homens desconhecidos foram até a sua residência e perguntaram por ele. Conforme seu irmão de criação Jean Carlos Martins Gonzales, antes do desaparecimento de John, houve uma briga na esquina na casa dele, na rua José Barbosa Rodrigues, mas ele nega que o irmão esteja envolvido.

“Ele é um rapaz tranquilo, não é de se envolver em brigas, não tinha desentendimentos com ninguém”. Jonh tem uma tatuagem de dragão nas costas e no braço direto e uma tribal no braço esquerdo.

Você pode gostar também