Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

Sargento preso em operação contra cigarreiros agora culpa esposa por quebrar celulares

PM está preso há quase dois meses

Após 44 dias da prisão do 2º sargento da Polícia Militar e ex-assessor da Secretaria de Estado de Governo, Ricardo Campos Figueiredo, a defesa do militar alega que em depoimento a esposa de Ricardo teria confessado ter quebrado os aparelhos celulares do marido um dia antes da deflagração da Operação Oiketicus, no dia 16 de maio.

Segundo o depoimento da mulher do militar, os celulares teriam sido quebrados por ela na madrugada anterior a operação, e por motivos particulares do casal. Com isso, os advogados de Ricardo pediram em despacho ao juiz que seja feita uma perícia técnica nos aparelhos.

Ainda segundo a defesa a suspeita da quebra dos aparelhos no dia da deflagração da operação surgiu porque os celulares danificados “estariam muito quentes”, e para afastar dúvidas foi feito o pedido de perícia por um assistente técnico “na busca da verdade”.

Segundo a defesa “a informação técnica a respeito do tempo é fundamental para averiguar a materialidade do delito, sendo que referida prova é tida como fundamental”.

No dia 19 deste mês, após o novo pedido de liberdade impetrado pela defesa de Ricardo, o MP (Ministério Público) se manifestou contrário ao pedido de liberdade provisória.

O sargento havia conseguido um habeas corpus no dia 19 de maio, três dias depois de sua prisão, mas acabou sendo preso novamente no dia 23 de maio, quando teve revogado o habeas corpus.

Quebra de celulares e prisão

Segundo os relatos entregues à Justiça, o sargento ‘enganou’ colegas e o membro do MP-MS durante cumprimento de mandado judicial de busca e apreensão na casa dele, se escondeu em um banheiro e danificou os aparelhos que usava para conversar com chefes, colegas, familiares e amigos.

Ao todo, a Corregedoria da Polícia Militar e o Gaeco cumpriram 66 mandados, sendo 21 de prisão e 45 de busca e apreensão.

Entre os alvos estavam oficiais e praças da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, incluindo comandantes de unidades em municípios do interior.

Mais policiais presos

A Oiketicus teve mais uma fase no dia 13 de junho, quando oito policiais militares, entre eles um tenente da reserva e sete praças, foram presos.

Cinco praças foram presos em cidades do interior do Estado e três na Capital. Todos foram levados para a Corregedoria da PM, onde passaram por procedimentos administrativos e, em seguida, foram levados para o Presídio Militar de Campo Grande.

Ao todo 29 policiais militares foram presos durante a deflagração da operação.

 

 

Você pode gostar também