Piscineiro é suspeito de atropelamento que matou criança em Campo Grande

Polícia também chegou a receber denúncias de outros carros batidos

Uma para-choque de um Gol branco com manchas que seria levado pela coleta de lixo levou a um suspeito do atropelamento do menino Marcos Roberto Correia Pereira, de 6 anos, que morreu na noite do último dia 22 de fevereiro na Avenida Guaicurus, em frente a uma igreja no Bairro Universitário, em Campo Grande.

No dia do ocorrido, na qual o motorista fugiu sem prestar socorro, testemunhas chegaram a dizer que o veículo seria um Gol preto do modelo GTS (quadrado). A polícia também chegou a receber denúncias de outros carros batidos, que após investigações foram descartadas.

“Recebemos uma denúncia de um morador, colocando um para-choque na lixeira para o caminhão de lixo levar”, disse a delegada  Célia Maria Bezerra da Silva, responsável pelo inquérito. De acordo com a Polícia Civil, o para-choque do veículo, que é do mesmo modelo que teria sido visto, está danificado e há uma mancha escura.

O para-choque foi levado ao IALF (Instituto de Análises Laboratoriais Frocense), para saber se realmente se trata de sangue. O motorista do veículo, que é um piscineiro, disse à polícia que foi assisitir ao jogo entre Fluminense e Vasco, no dia do ocorrido, e depois voltou para casa.

 Sobre o para-choque, o suspeito conta que bateu em um buraco e que um amigo presenciou o fato. Não foi possível analisar imagens de câmeras, pois a polícia acredita que o motorista não continuou trafegando na Guaicurus.

Acidente

De acordo com testemunhas, Marcos brincava com o irmão na calçada, quando atravessou a via do sentido anel viário-Avenida Gury Marques. Neste momento, o veículo que transitava em alta velocidade e atropelou o menino.

O motorista fugiu do local e ninguém conseguiu ver a placa. Ainda de acordo com testemunhas, o motorista deu marcha à ré e arrancou em velocidade com o carro.

Com o impacto, Marcos foi arremessado da faixa do meio, contra o vidro traseiro de um carro estacionado na faixa direita. O vidro quebrou e uma marca da mão do garoto ficou no veículo. O Corpo de Bombeiros e o Samu (Serviço Móvel de Urgência), foram acionados, porém a criança morreu na hora.

Piscineiro é suspeito de atropelamento que matou criança em Campo Grande
Mais notícias