‘Ah, eu sou bandido’: confusão dentro de boate termina com um ferido a tiro

Homem chega ‘causando’ em casa noturna, atira para cima, mas é ferido e preso

Confusão dentro de uma casa noturna no bairro Aero Rancho, em Campo Grande, terminou com uma pessoa ferida a tiro na madrugada deste sábado (18). Segundo informações da polícia, tudo começou quando Ricardo Henrique dos Santos, de 28 anos, entrou no local gritando “eu sou bandido” e disparando uma arma de fogo apontada para o alto.

O registro policial do caso revela que acontecia um show na casa noturna Colizeu enquanto Ricardo, a todo instante, pronunciava em som alto: “Ah, eu sou bandido, eu sou bandido”. Em determinado momento, ele disparou dois tiros para cima.

O policial militar Cleber Adão Colman, 38 anos, estava à paisana no local e, ao perceber as atitudes de Ricardo, sacou a arma e atirou contra ele, atingindo-o na costela. “Só levei a mão na arma quando eu ouvi ‘aqui é bandido’. A gente estava na hora certa no lugar errado”, contou o PM, que conta nunca ter passado por situação semelhante.

Com Cleber estava também, outro policial, Gustavo Leite Serafim, 32 anos, que serviu de testemunha neste caso. O delegado Enilton Zalla, plantonista da Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Piratininga, entendeu que o policial fez uma legítima defesa de terceiros. “Mesmo estando a paisana, ele defendeu o dever dele e agiu de forma corajosa, porque do jeito que o Ricardo estava, atiraria em quem fosse possível”, contou.

A arma utilizada por Ricardo é uma pistola Cherokee Bull 9 milímetros, de fabricação israelense, armamento de uso restrito no Brasil. Estava com 14 munições, ou seja, duas a menos que a capacidade, devido aos dois tiros disparados na boate.

Ao receber o disparo do policial, Ricardo caiu no chão e foi encaminhado para a Santa Casa onde, segundo consta, passa bem. Ele está preso por tentativa de homicídio – crime pelo qual já tem passagens –, resistência e porte ilegal de arma.

Mais notícias