Mundo

Rússia: Putin flexibiliza isolamento, apesar do avanço do coronavírus no país

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou, nesta segunda-feira (11), a flexibilização das medidas restritivas contra o avanço da pandemia de coronavírus. O movimento acontece em um momento em que os russos observam uma disparada no número de infecções no país. Putin disse que alguns setores podem, agora, retomar o trabalho, emboras as restrições sobre […]

Matheus Maderal Publicado em 11/05/2020, às 12h42

O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: reprodução)
O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: reprodução) - O presidente russo, Vladimir Putin. (Foto: reprodução)

O presidente da Rússia, Vladimir Putin, anunciou, nesta segunda-feira (11), a flexibilização das medidas restritivas contra o avanço da pandemia de coronavírus. O movimento acontece em um momento em que os russos observam uma disparada no número de infecções no país.

Putin disse que alguns setores podem, agora, retomar o trabalho, emboras as restrições sobre aglomerações continuem em vigor. “Temos um longo e difícil processo pela frente, sem espaço para erros”, disse o mandatário em um discurso televisionado há pouco.

Putin ressaltou que, devido à extensão continental de seu país, a situação epidemiológica das diferentes regiões varia muito. Por isso, governos locais ainda poderão decretar medidas de isolamento de acordo com a situação local. Na capital russa, Moscou, o lockdown deve continuar em vigor até, pelo menos, o final de maio.

A flexibilização das medidas restritivas acontece em um momento em que os casos de coronavírus na Rússia disparam. Nas últimas 24 horas, o país chegou à terceira posição no ranking de nações com o maior número de infectados pela covid-19 – superando, assim, Itália e Reino Unido.

Dados oficiais divulgados hoje mostraram um aumento de 11.656 novos casos da doença e 94 mortes no país mais extenso do planeta. Com isso, são, ao todo, 221.344 casos e 2.009 vítimas.

Apenas Espanha e Estados Unidos têm números maiores de casos de coronavírus. De acordo com a plataforma WorldoMeters, que monitora o avanço da pandemia em tempo real, os EUA têm até agora 1,367 milhão de infectados e 80,78 mil vítimas da doença. Já a Espanha registrou 268,14 mil infecções e 26,74 mil mortes.

Jornal Midiamax