Navio em quarentena no Japão tem 61 infectados por coronavírus

O Ministério da Saúde do Japão informou nesta sexta-feira, 7, que foram registrados mais 41 casos de coronavírus entre os 3,7 mil passageiros a bordo do navio de cruzeiro Diamond Princess, que está em quarentena na costa do país. Com isso, 61 pessoas estão infectadas. Entre os doentes está um argentino – é o primeiro caso confirmado de um latino-americano.

O cruzeiro, que chegou segunda-feira, 3, à noite perto do porto de Yokohama (sudoeste de Tóquio), tem cerca de 3,7 mil pessoas, entre passageiros e tripulantes, dos quais 273 foram submetidos a testes de triagem. “Os resultados dos 171 testes restantes chegaram, dos quais 41 foram positivos”, anunciou o ministro da Saúde do Japão Katsunobu Kato. Esses pacientes serão hospitalizados, assim como foram os anteriores.

Além do argentino, existem 21 japoneses, 8 americanos, 5 canadenses, 5 australianos e um britânico infectados, de acordo com informações fornecidas pelo ministério. Os testes foram inicialmente limitados a pessoas que apresentavam sintomas ou que haviam entrado em contato com um passageiro que desembarcou em Hong Kong e foi diagnosticado com a doença. Mas agora o ministro da Saúde disse que fará testes adicionais em pessoas vulneráveis a bordo, como idosos e pessoas que tiveram contato com os novos casos positivos. A quantidade de pessoas que será submetida não foi dada.

O Diamond Princess atracou em Yokohama e está em uma quarentena que pode durar até 19 de fevereiro. Vinte pessoas já haviam testado positivo. Eles foram evacuados do navio. Um deles está em estado grave, anunciou o Ministério da Saúde, sem entrar em detalhes.

Os passageiros reclamam que estão aborrecidos a bordo, trancados na cabine, às vezes sem janela. Pessoas sem luz natural ou janela para o exterior podem andar no convés em pequenos grupos para tomar ar, mas sob condições estritas, como o uso de uma máscara quando estão fora da cabine. “As pessoas encarregadas da quarentena exigem que você evite formar grandes grupos e que mantenha pelo menos um metro de distância ao conversar”, disse o capitão.

“Exigimos que você use pelo menos roupas quentes, um chapéu e um cachecol, se possível”, acrescentou ele neste anúncio que pode ser ouvido em um vídeo transmitido por um dos passageiros, o britânico David Abel. Um segundo navio, o “Westerdam”, com um passageiro suspeito de estar infectado, não poderá atracar em Okinawa, no extremo sul do Japão, informou o governo na sexta-feira. Além dos 61 casos de coronavírus do cruzeiro, o Japão registrou 25 em seu território.

A maioria desses pacientes estava em contato com pessoas que passaram por Wuhan, cidade chinesa onde a epidemia começou, que causou mais de 600 mortes na China continental, onde mais de 31 000 pessoas foram infectadas. As autoridades japonesas repatriaram mais de 600 de seus cidadãos Wuhan. Um quarto voo de evacuação de cidadãos japoneses, mas também de esposas estrangeiras japonesas ou com vínculos com o país, aterrissou na sexta-feira em Tóquio.

Chile

O Chile decretou alerta de saúde por causa do coronavírus. O país tem cinco casos suspeitos da doença, mas nenhum confirmado.

De acordo com o governo, a medida foi tomada antes de se registrar qualquer caso da doença e permitirá a disponibilidade imediata de recursos econômicos, humanos e logísticos. “Se tivermos que aumentar as medidas, precisamos ter mais orçamento para contratar estudantes de medicina ou mover pessoas de um lugar para outro, ou colocar, como estamos fazendo, máquinas e dispositivos para detectar em todos os principais hospitais (. . ) Tudo isso é permitido e não precisamos de muita papelada para responder a essa ameaça “, afirmou o ministro da Saúde do Chile, Jaime Mañalich.

“Tivemos casos realmente suspeitos. Pessoas que embarcaram na China há menos de 14 dias e chegaram com sintomas aqui. Todos eles foram isolados em diferentes partes e todos foram descartados “, afirmou.

Nesse sentido, Mañalich disse que as fronteiras terrestres do Chile foram reforçadas, como foi feito com aeroportos e portos, para fortalecer a detecção preventiva de qualquer outro caso que possa coincidir com o diagnóstico da doença.

E ele esclareceu que existe uma situação que realmente preocupa é a do extremo norte do país e para a qual já foram tomadas medidas de prevenção. “Particularmente preocupante é a situação na tríplice fronteira norte (Chile-Peru-Bolívia), porque temos carnavais em Arica (extremo norte) nos próximos dias e isso significa um movimento bastante importante de pessoas”, explicou “Nos locais de entrada, fronteiras e costumes, já temos dispositivos sanitários especiais para limitar esse risco, o que é pouco”, afirmou o ministro. (Com agências internacionais)

Mais notícias