‘Morreu lutando pela vida’, diz amigo de brasileira morta em ataque na França

A cuidadora de idosos Simone Barreto Silva, 44 anos, tinha parado para poucos minutos de oração, na Basílica de Notre-Dame, em Nice, na , antes do trabalho, quando foi atacada por um homem armado com uma foto em ataque classificado pelo governo francês como “terrorista”, na manhã da última quinta-feira, 29. Ela chegou a sair do templo e pedir ajuda, mas não sobreviveu. Um homem de 21 anos, suspeito de cometer o crime, que deixou outras duas pessoas mortas – uma delas, o sacristão – foi preso pelas autoridades. Simone morava na há 30 anos e integrava uma família que promove projetos de matriz afro-brasileira ao país.

“Simone morreu lutando pela vida, ao sair da igreja e pedir socorro. [Ela] evitou que a tragédia fosse maior”, contou o babalorixá Anderson Argôlo, do Terreiro Obatalandê, em Lauro de Freitas, na Região Metropolitana de , e amigo da família Barreto, ao Estadão. Depois do ataque, Simone chegou a se abrigar num restaurante em frente à catedral antes de morrer, contou um dos proprietários do local, Brahim Jelloule, à TV France Info. Testemunhas disseram que, nos últimos momentos de vida, ela pediu que dissessem aos três filhos que ela os amava.

Nos anos 1990, Simone deixou o Brasil para participar da Oba Brasil, grupo de dança na época dirigido por sua irmã, Bárbara, que já morava na . Simone vivia, antes da mudança, no bairro do Lobato, no subúrbio de , e, obteve cidadania francesa. No país que escolheu para viver, a baiana se formou em , embora atuasse como cuidadora de idosos. Ela é lembrada pelos amigos como “forte e feliz”. “Mesmo católica, sempre respeitou as religiões de matriz africana, participando do cortejo do presente de Iemanjá”, disse o babalorixá Anderson Argôlo.

A vítima também era irmã de Solange Barreto, presidente da Associação Braducashow, que, há oito anos, realiza em Nice, com a babalorixá Anderson, festejos em homenagem a Iemanjá. Com as duas irmãs, Simone ainda organizava e participava de eventos culturais ligados às tradições brasileiras.

O prefeito de , ACM Neto (DEM), lamentou a perda, no Twitter. “Toda minha solidariedade aos familiares da baiana Simone Barreto Silva, que nasceu no Lobato, no subúrbio de , e que lamentavelmente foi uma das vítimas do atentado terrorista ocorrido nesta quinta-feira, na Basílica de Notre-Dame, em Nice, na . Fica a nossa imensa consternação diante desse crime bárbaro, condenado por todos os líderes mundiais, com os quais nos uniremos agora, na certeza de que o bom senso, a razão e a lucidez irão subjugar a irracionalidade, o fanatismo e a intolerância religiosa”, escreveu.

O governador da , Rui Costa (PT), contou, também no Twitter, estar “triste e indignado. “Atentado terrorista na matou Simone Barreto, baiana de . Ataque covarde contra a liberdade. Que Deus conforte familiares e amigos de Simone e das outras vítimas deste crime bárbaro. à e ao mundo que defende o amor e a paz”.

'Morreu lutando pela vida', diz amigo de brasileira morta em ataque na França
Mais notícias