Coronavírus: sem Brasil, países latinos se reúnem para discutir como superar crise

Países aprovaram uma declaração que esboça algumas possíveis soluções de financiamento para rebater os efeitos da crise

Presidentes de nove países da e do Caribe se reuniram por videoconferência ontem convidados pelo governo da Espanha para discutir soluções para a crise econômica que atinge a região em razão da de coronavírus. Líderes de diferentes correntes políticas participaram do encontro virtual e pediram a organismos financeiros internacionais que considerem “medidas adicionais de apoio” para ajudar no combate à atual recessão. O ficou de fora do encontro.

A agenda do evento “Juntos por una respuesta para y el Caribe”, ao qual o Estadão teve acesso, anunciava as participações do primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, e dos presidentes da Argentina, Colômbia, Costa Rica, Chile, Equador Paraguai, Peru, República Dominicana e Uruguai, além da primeira-ministra de Barbados e atual presidente da Comunidade do Caribe (Caricom).

No encontro, os países aprovaram uma declaração que esboça algumas possíveis soluções de financiamento para rebater os efeitos da crise. Uma das medidas defendidas é “estudar possíveis reestruturações de pagamentos de dívida, caso a caso, a países altamente endividados em razão da ”. A ideia é convencer instituições como o Fundo Monetário Internacional (FMI) que a reconstrução da região exige novos instrumentos de financiamento.

“Com a iniciativa, queremos contribuir para que os países latino-americanos e do Caribe tenham à sua disposição maiores recursos para responder ao desafio socioeconômico e para que possam lançar as bases de um crescimento mais equilibrado, sustentável e inclusivo em toda a região”, concordaram os países presentes.

A ausência de México e , os maiores países da região, foi questionada pela imprensa. O governo espanhol afirmou que o presidente mexicano, Manuel López Obrador, foi convidado, mas teve uma incompatibilidade de agenda. O Estadão questionou o governo da Espanha se o foi convidado para o encontro. O mesmo questionamento foi enviado ao Itamaraty Nem o governo espanhol, nem o brasileiro responderam até a publicação desta reportagem. Mas fontes do governo espanhol disseram ao Estadão que “a iniciativa é aberta” e o “poderá subscrever a proposta, se desejar”. O tem ficado isolado na discussão de soluções regionais durante a .

A agência de notícias Servimedia noticiou que , Venezuela, Nicarágua e Cuba não foram contatados para participar do evento. “Não estarão países como México, que declinou por problemas de agenda do presidente Manuel López Obrador, enquanto outros, como Venezuela, , Nicarágua ou Cuba, não foram contatados”, noticiou a Servimedia. O jornal El País afirmou que fontes governamentais explicaram que López Obrador teve problemas de agenda, mas “as mesmas fontes evitaram esclarecer se (Jair) Bolsonaro havia sido convidado”.

O FMI divulgou ontem projeções atualizadas para a atividade econômica dos países neste ano, indicando que a é uma das regiões que mais sofrerá os efeitos da , com retração de 9,3%.

Coronavírus: sem Brasil, países latinos se reúnem para discutir como superar crise
Mais notícias