Iraque tem dezenas de mortos em 48 horas de manifestações e violência

Pelo menos sete iraquianos foram mortos hoje (26) em confrontos com as forças de segurança em Bagdá, no sul do Iraque, quando milhares de manifestantes participavam de protestos contra o governo.

Na sexta-feira, tinham morrido 42 pessoas na sequência dos protestos no sul do país, o que faz com que 49 pessoas tenham sido mortas nas últimas 48 horas em manifestações que exigem “a queda do regime” e em ataques contra sedes de partidos, instalações de dirigentes e de grupo armados.

A contestação decorreu até agora em duas fases. A primeira – entre 1ºe 6 de outubro – provocou, segundo números oficiais, 157 mortos, quase todos manifestantes.

Sedes de partidos são incendiadas

A segunda começou na quinta-feira à noite (23), após uma interrupção de 18 dias, por ocasião de uma importante peregrinação xiita.

Na sexta-feira, foram incendiadas sedes de partidos, gabinetes de deputados e instalações de facções armadas do Hachd al-Chaabi, uma coligação de paramilitares, dominada por milícias xiitas pró-iranianas e aliada do governo iraquiano.

Hoje, três pessoas foram mortas a tiro por guardas quando incendiavam a casa de um chefe da segurança do conselho provincial de Zi Qar (no sul), de acordo com a comissão governamental dos direitos humanos.

Em Bagdá, foram mortas quatro pessoas que participavam de protestos e que tentavam chegar à Zona Verde da capital, onde se situam os principais edifícios governamentais e embaixadas.

Mais notícias