Incêndios já destruíram ao menos 61 mil hectares no Paraguai

Outros 71 focos de incêndio foram registrados pelo Instituto Florestal Nacional

As chamas já destruíram ao menos 61 mil hectares de vegetação no , informou hoje a Secretaria de Emergência Nacional. Segundo a instituição responsável por coordenar as ações de redução e gestão de riscos causados por desastres naturais, as regiões mais afetada pelos s estão próximas à fronteira com o Mato Grosso do Sul, no Brasil.

De acordo com a secretaria, os maiores focos de s estão na região de Chovoreca, onde está localizado o parque nacional de mesmo nome, e da cidade de Bahia Negra, na tríplice fronteira -Bolívia-Brasil. Além destes, o Instituto Florestal Nacional registrou outros 71 focos de s se expandindo pelo território do Chaco.

Na semana passada, o ministro da Secretaria de Emergencia Nacional, Joaquín Roa, chegou a anunciar a extinção dos s em Chovoreca e em Bahía Negra. Hoje, contudo, o próprio Roa declarou a jornalistas os que, ontem a tarde, o fogo se reavivou nas duas localidades.

Em nota, o Instituto Florestal Nacional informou que, com base em imagens obtidas por satélites, estima que só na região do Monumento Natural Cerro Chovoreca foram “afetados” cerca de 14 mil hectares (cada hectare corresponde, aproximadamente, ao tamanho de um campo de futebol oficial). Criado em 1998, no estado de Alto , o monumento é classificado como uma área silvestre protegida e tem quase 101 mil hectares de vegetação a ser preservada.

Já nas cercanias da cidade de Bahía Negra, no mesmo estado, as chamas afetaram a aproximadamente 47 mil hectares. A área mais atingida fica próxima à Área Protegida Privada Três Gigantes, no Pantanal, praticamente na fronteira com o Brasil e com a Bolívia. O instituto não divulgou o tamanho da área queimada nas outras 71 localidades.

O governo chileno cedeu um avião-tanque para auxiliar as autoridades as a tentar apagar os s. Segundo a Secretaria de Emergência Nacional, após ter debelado outros focos de em Toro Pampa, a aeronave deve começar a atuar na região de Chovoreca, auxiliando os bombeiros e guarda-parques que há dias atuam em solo, com o apoio de um helicóptero. Outro avião-tanque e outro helicóptero devem chegar ainda hoje a Bahía Negra.

Na nota que divulgou, o Instituto Florestal o lembra que as regiões mais afetadas se caracterizam por estar em zonas secas e semi-secas, o que contribui para que o fogo se espalhe mais rapidamente. O instituto apela à “consciência cidadã” ao pedir a ajuda da população para prevenir os s. E lembra da existência de leis que regulam e punem a realização de queimadas de pastos, bosques e campos que resultem em s sem controle.

“É comum a prática da queima de pastos e de mato para preparar o solo para as atividades da agropecuária. A diferença, este ano, é que isto tem ainda maior repercussão devido aos incidentes que estão acontecendo nos países vizinhos e que são de conhecimento público”, acrescenta a nota, sem especificar a que países se refere. Brasil e Bolívia, no entanto, lutam há semanas para conter s florestais em seus territórios.

Ontem, o Ministério Público do Paraguai instaurou um procedimento para investigar denúncias de que, há alguns dias, a queima intencional de pastos de duas fazendas localizadas a cerca de 30 quilômetros de Bahía Negra resultaram em um grave .

Incêndios já destruíram ao menos 61 mil hectares no Paraguai
Mais notícias