Notícias de Mato Grosso do Sul e Campo Grande

EUA dizem que não reconhecerão resultado de eleição venezuelana

‘A farsa das eleições não muda nada’, afirmou o secretário de Estado americano

Os Estados Unidos denunciaram a ausência total de legitimidade nas eleições presidenciais da Venezuela realizadas neste domingo, em que o presidente Nicolás Maduro busca a reeleição, e indicaram que não irão reconhecer o resultado do processo eleitoral.

“A farsa das eleições não muda nada. Precisamos que o povo venezuelano controle este país… uma nação com muito a oferecer ao mundo”, escreveu no Twitter o secretário de Estado americano, Mike Pompeo.

O chefe da diplomacia dos Estados Unidos também voltou a pedir ao governo venezuelano que liberte Josh Holt, um missionário americano detido desde de 2016 no país caribenho por supostamente ter trabalhado com grupos criminosos para desestabilizar o governo venezuelano. Washington alega que ele foi falsamente acusado.

“As chamadas eleições na Venezuela de hoje não são legítimas”, afirmou, também pelo Twitter, Heather Nauert, porta-voz do Departamento de Estado. “Os Estados Unidos estão do lado das nações democráticas no mundo que apoiam o povo venezuelano e seu direito soberano de eleger seus representantes em eleições livres e justas”, acrescentou.

A indicação de que os Estados Unidos não irão reconhecer o resultado da eleição também foi dada pelo número 2 do Departamento de Estado, John Sullivan, a jornalistas, que afirmou ainda que os Estados Unidos consideram ativamente impor sanções envolvendo o petróleo da Venezuela. Segundo ele, uma resposta às eleições deste domingo será discutida em um encontro do G20 em Buenos Aires na segunda-feira.

Maduro tenta a reeleição no pleito de hoje, que a maior coligação opositora venezuelana, Mesa da Unidade Democrática (MUD), também considera fraudulento e é criticado por diversos países. Disputam com Maduro o cargo de presidente o ex-governador Henri Falcón – um chavista dissidente que não apoiou a decisão da MUD de não participar da eleição -, o ex-pastor evangélico Javier Bertucci e o engenheiro Reinaldo Quijada.

Os EUA anteciparam há um mês que não reconheceriam o resultado do pleito de hoje como estava sendo preparado, e o vice-presidente do país, Mike Pence, pediu recentemente que Maduro suspendesse as eleições, consideradas por ele como “falsas”.

Como medida de pressão, o governo de Donald Trump também impôs nos últimos meses várias rodadas de sanções econômicas a funcionários do governo venezuelano, incluindo o próprio Maduro, por abusos aos direitos humanos, corrupção e ações para minar a democracia.

Você pode gostar também
Comentários
Carregando...