Em mensagem de Natal, Papa condena perseguição de minorias

Papa pediu que as pessoas não sejam indiferentes ao sofrimento alheio.

O Papa Francisco condenou a “brutal perseguição” de minorias por parte dos insurgentes do Estado Islâmico em sua mensagem de Natal nesta quinta-feira (25) e conclamou as pessoas a não serem indiferentes ao sofrimentos de tantos ao redor do mundo.

Dezenas de milhares de pessoas foram à Praça de São Pedro para ouvir o papa entregar sua mensagem “Urbi et Orbi” (para a cidade e o mundo), marcando o segundo Natal de seu pontificado.

Francisco também pediu pelo fim dos conflitos em países africanos, por diálogo entre israelenses e palestinos, condenou os ataques de militantes do Talibã que mataram mais de 130 estudantes no Paquistão na semana passada, e agradeceu aos que estão ajudando as vítimas da epidemia de Ebola.

O Papa reservou suas palavras mais duras para defender as vítimas de militantes do Estado Islâmico.

“Eu peço a ele, o Salvador do mundo, que olhe para nossos irmãos e irmãs no Iraque e na Síria, que por muito tempo agora vêm sofrendo os efeitos de um conflito em andamento e que, juntos com aqueles que pertencem a outros grupos étnicos e religiosos, estão sofrendo uma brutal perseguição”, disse o Papa.

Mais notícias