Ativista do Femen poderá ser julgada no Vaticano após protesto no Natal

Ucraniana tentou levar Menino Jesus de presépio do Vaticano.

A ativista do grupo Femen que tentou roubar, no dia de Natal, a estátua do menino Jesus na praça São Pedro, continua detida e poderá ser julgada por “ultraje, atos obscenos em lugar público e roubo”, informou o Vaticano, nesta sexta-feira (26).

A jovem Iana Aleksandrovna Azhdanova, originária da Ucrânia, está detida em uma cela da Gendarmeria Vaticana.

No dia de Natal, com os seios à mostra e nos quais se podia ler “God is a woman” (Deus é uma mulher), ela correu até o presépio montado no meio da praça, que estava cheia de visitantes.A jovem agarrou a estátua até ser presa por um segurança.

Seu ato “deve ser considerado como particularmente grave pelo lugar e pelas circunstâncias, já que ofende, de forma intencional, os sentimentos religiosos de várias pessoas'” alegou o porta-voz do Vaticano, o padre Federico Lombardi.

A Justiça vaticana pode decidir julgar diretamente os atos cometidos em seu território, ou “expulsar” seus autores para a Itália, disse.

O movimento feminista Femen nasceu na Ucrânia e, sempre com os seios expostos, suas ativistas se opuseram ao antigo regime pró-russo do país, assim como à Igreja ortodoxa. Depois, espalhou-se pela Europa, onde critica a Igreja católica, acusando-a de ser retrógrada em relação aos direitos das mulheres.

Um empresário italiano também está detido no Vaticano, após ter escalado no último domingo, pela quinta vez, a fachada da basílica de São Pedro em protesto contra uma medida europeia.

 

 

Mais notícias