Miss trans MS fica em 4ª lugar em concurso nacional e se envolve em polêmica

A concorrente foi apontada como racista e transfóbica pelos internautas.

Miss trans conseguiu a quarta colocação em disputa nacional no Miss Beleza T Brasil. Mariane Caceres, de 22 anos, além de ter sido destaque no campeonato, também chamou atenção por publicar um vídeo inconformada com o resultado e ofensivo a vencedora.

O concurso aconteceu nesse último final de semana e tem por objetivo conseguir visibilidade para mulheres trans. Foram 23 candidatas, cada uma representou o seu estado e a Miss Rio de Janeiro foi quem levou o prêmio e é a mais nova Miss BelezaT Brasil 2020.

Miss trans MS fica em 4ª lugar em concurso nacional e se envolve em polêmica
Vencedora do Miss Beleza T Brasil 2020, Eloá Rodrigues.

A candidata sul-mato-grossense começou a se aproximar do mundo de concursos de beleza e disputas para miss, no ano de 2018 no Miss Gay. Em 2019 participou e ganhou o Miss Trans, o que levou ela as disputas nacionais.

No Miss Beleza T Brasil, ela entrou em um confinamento na quinta-feira (22) e acabou no sábado (24), em quarto lugar. Na manhã de domingo, as participantes receberam as folhas dos jurados com as notas e Mariane foi surpreendida com uma folha sem assinatura, na qual tinha notas muito baixas, segundo ela.

Após a surpresa de notas sem explicações, indignada e de cabeça quente foi até o seu perfil no e falou sobre o inconformismo com o resultado e acabou falando em uma parte do vídeo: “não acredito que perdi para isso”, se referindo a vencedora do estado do Rio de Janeiro.

Bastou poucos minutos para o vídeo repercutir nacionalmente e muitas críticas começarem a surgir. Muitas pessoas apontaram Mariane como racista e transfóbica, pela forma que se referia a adversaria.

Em entrevista ao Jornal Midiamax, Mariane Caceres explicou que jamais falou “isso” se referindo ao fato da sexualidade ou cor da candidata, apenas não achava que a candidata deveria ter vencido, acredita que outra concorrente merecia o prêmio. Se diz extremamente arrependida pelo que disse e pelo mal-entendido.

“Foi um momento de raiva, isso não condiz em nada com os meus princípios e estou muito arrependida”.

Além dos sonhos com os concursos de Miss, esse ano, ela entrou para política e fazia parte da bancada do candidato a vereador, Frank da bancada cidadão, do . Após o envolvimento na polêmica, vários eleitores começaram a cobrar o partido e a bancada e ela foi afastada.

No momento, ela afirma estar muito abalada e não consegue pensar o que será do seu futuro na política.

Miss trans MS fica em 4ª lugar em concurso nacional e se envolve em polêmica
Mais notícias