Xanya e as Draguerreiras: seriado independente da Capital combate o machismo e homofobia

Histórias com pegada trash falam sobre heroínas drag queens na Campus Imensus, uma paródia de Campo Grande

A produção independente Xanya e as Draguerreiras é um seriado feito por artistas de campo Grande para disseminar o combate à homofobia, ao racismo, transfobia e machismo, entre outros preconceitos velados na sociedade. Os personagens Juca, Maria e Neto se transformam em seus alter-egos drag queens para salvar a cidade de Campus Imensus, paródia de Campo Grande, onde são filmadas a maioria dos takes. A série busca angariar fundos através de uma arrecadação online para continuar seus episódios e produzir mais cenas.

Na história Juca, interpretado por Guilherme, vai morar na cidade grande, Campus Imensus, e se depara com situações de homofobia, racismo, transfobia, machismo e outros tipos de preconceitos. Ele é um jovem alegre, nerd, que também se monta de drag. Um dia recebe a benção da mentora das drags Maria Quitéria, ganha superpoderes para combater as opressões sofridas pelas minorias sociais.

Assista ao primeiro episódio da série abaixo: 

Histórico

Com pegada trash e recheada de humor, essa primeira parte da saga, intitulada Xanya, acabou ficando sem o prêmio da loja, pois o vídeo acabou passando do tempo permitido por três segundos. A recompensa veio quando participaram do MAD (Mostra Audiovisual de Dourados) em 2016. Por lá o vídeo fez bastante sucesso, garantindo o 2º lugar na categoria Trash daquele ano. Em 2017, com Xanya 2, a equipe angariou novamente o 2º lugar da categoria Trash do MAD e o 1º lugar do Júri Popular. “Este sucesso nos deu gás para continuar”, afirma o diretor e um dos criadores da série Thiago Silva.

Depois disso gravaram o piloto da série, que foi lançado em julho de 2018, intitulado Maquiagem. O trio até tentou angariar fundos para fazer o resto da temporada, que deve ter 13 episódios no total, através de um edital da Ancine, mas acabaram não conseguindo.

Mesmo assim decidiram continuar com o projeto e gravar seis episódios entre dezembro e janeiro, para mostrar que estão produzindo e tentar vender o produto para alguma rede de televisão ou até um canal de streaming, já que no momento tudo é feito de maneira independente.

“Queremos mostrar que temos um produto que vale a pena, fala de diversas coisas. É humorístico, linguagem de fácil acesso e que as pessoas gostam, é caricata, nos baseamos muito em séries como Power Ranger, Sailor Moon e outros desenhos de luta que todo mundo gosta. Os personagens já cativaram o público. Queremos finalizar os 7 primeiros para vender e fazer mais 6 episódios, concluindo a primeira temporada”, explica Thiago.

Conheça as personagens:

Xanya / Juca

Curso: Engenharia Mecatrônica
Gosta de: Catuaba, Animes, Super-heroínas, Memes, Internet
Não gosta de: Ver os amigos desanimados, homofobia

Juca é um garoto que veio do interior para a capital, natural de Curilândia, onde ainda moram seus pais, sempre disposto a ajudar seus amigos dá vida a Xanya, uma draguerreira alegre e serelepe que conta com o poder da ferveção das baladas e das LGBTS.

Maryah Scarey / Maria

Curso: Artes Visuais
Gosta de: Café, Misticismo, Divas, Souvernirs, Se Montar
Não gosta de: Ter que brigar, estágio

Maria é filha única de mãe solteira, vive com a mãe e o avô, é uma garota dedicada e aplicada, faz aulas de Ai Ki dô mas não gosta de lutar, se torna Maryah Scarey, uma draguerreira violenta e forte, tem um poderoso senso de justiça, apesar das poucas palavras.

Black Card / Neto

Curso: Economia
Gosta de: Vinho, Moda, Redes Sociais, Londres, Fazer compras
Não gosta de: Ser chamado de Chico, roupas bregas.

Neto é um dos cinco filhos de Miranda, mora com a família em uma grande casa, é um garoto extremamente preocupado com o mundo da moda e antenado nas redes sociais, transforma-se em Black Card, uma glamourosa draguerreira que possui poder de seu cartão bandeira black.

Maria Quitéria

Ocupação: Desconhecida
Gosta de: MS, Chitas, Shows,
Não gosta de: Quebrar a unha, viado lerdo

Maria Quitéria é a misteriosa figura que está em Campus Imensus, não se sabe ainda qual a relação específica que ela tem com as garotas, mas está sempre envolvida de alguma maneira com os eventos que acontecem em Campus Imensus.

Mão-na-Bunda / Etore

Curso: Agronomia
Gosta de: Futebol, Open Bar, Atlética, Academia
Não gosta de: Feminismo, ser questionado.

Etore é estudante do terceiro ano de agronomia, machão metido a esperto, gosta de se aproveitar sempre que tem a chance de passar a mão boba em alguma garota, usando esse assédio como seu poder.

Juntas, as heroínas combatem as opressões que acontecem em Campus Imensus. “Não estamos fazendo algo de maneira chata, educativa. Nós ridicularizamos essas situações, damos alfinetadas, deixamos estereótipos que vimos e vivemos diariamente, de certa forma caricatos, para que assim possamos empoderar pessoas” pontua Thiago.

Os criadores abriram um crowndfunding virtual para arrecadar dinheiro para a produção. Para ver as metas propostas pelo grupo, recompensas ou fazer uma doação basta acessar o link.

Mais notícias