Live do Projeto Vertentes apresenta nomes da música instrumental de MS

Live acontece na noite desta terça-feira (27) nas redes sociais

Depois de meses paralisado por conta da pandemia do coronavírus, o projeto do Coletivo Campo Grande de Música, a live Vertentes reúne nesta terça-feira (27) diversos músicos, instrumentistas e autores interessados na difusão da música autoral de Mata Grosso do Sul.

A live é realizada com o apoio da , com transmissão, direto do Armazém Cultural, se dará através do canal do Coletivo Campo Grande Música. Na segunda versão virtual, se apresentam o maestro Eduardo Martinelli, Marcos Assunção, Banda Black Tropical e Jariston Lima.

Eduardo Martinelli já se apresentou como solista, camerista e como maestro em diversos países. Atuou em parcerias diversas com músicos dos EUA, Canadá, Trinidad Y Tobago, Chile, Argentina, Uruguai, Paraguai, Bolívia, Portugal, Espanha e Suíça. Foi premiado no Programa Petrobrás Cultural/ do Brasil pelo resgate das obras do compositor sergipano Amintas da Costa “Sarrafo”. Para o Vertentes, Eduardo Martinelli traz obras de diversos estilos, Clássico, Chorinho, Popular instrumental em geral.

O multi-instrumentista e compositor Marcos Assunção, nascido em 1977 em Campo Grande, começou a tocar aos 7 anos na banda Marcial da escola e com 13 anos começou a estudar violão e guitarra. O encontro com a viola caipira foi através do seu avô, Duarte Assunção. De quem adotou o sobrenome de trabalho. O Jazz, Choro, Bossa Nova, música erudita, música caipira e a regional são suas principais influências. Assunção é graduado em música pela e Pós-graduado em Educação musical.

Foi convidado a participar do Brazilian Songbook International realizado pela FUNARTE. Participou do programa “Revoredo” da USP – SP, no qual teve seu álbum “Eu a viola e eles” reconhecido pela sua música autoral. Lançou em 2019 o seu primeiro livro pela editora LIFE. O método “Viola Brasileira Volume I”. Atualmente, o músico está gravando o quarto CD instrumental “Num tom Brasileiro” com um repertório transcrito para viola caipira em obras de Johan Sebastian Bach e Ernesto Nazareth.

A banda Black Tropical surgiu apenas “no papel” no final do ano de 2017, com músicas escritas e produzidas pelo vocalista Braulio Castro fundador. Em julho de 2018 a Black Tropical fez sua estreia, porém a banda ficou paralisada com a mudança de formação e teve sua segunda apresentação ao vivo em fevereiro de 2019, ano em que trocou de formação e se apresentou em 2 dias tocando ao vivo no evento “Canjas de Terça” realizados no Blues Bar. A última apresentação foi em um protesto pacifico realizado no parque dos poderes. No Vertentes, se apresentará com Douglas na bateria, Eddie no baixo e Bráulio Castro na guitarra e Voz.

Por fim, Jariston Lima traz uma proposta de show particular, levando ao público um momento de intimidade com a música, envolvendo os expectadores com a história de casa canção, com qualidade de som envolvente e forte, ao mesmo tempo em que traz a emoção e a sensibilidade de músicas que tocam a alma. Jariston Lima tem o propósito levar uma reflexão sobre sua própria essência. O espetáculo será com músicas autorais e canções consagradas, e a expectativa e levar a plateia ao total envolvimento com os artistas, tornando-se um momento único e agradável.

Serviço

Engepar Apresenta: Live Projeto Vertentes
Quando: Terça-feira (27), às 19h
: Eduardo Martinelli, Jariston Lima, Banda Black Tropical e Marcos Assunção.
Transmissão: https://www.facebook.com/coletivocgmusica/

Live do Projeto Vertentes apresenta nomes da música instrumental de MS
Mais notícias