Encontro de gerações leva na música as belezas da fauna e flora de MS

Percival Gomes e Vinicius Arguelho se juntaram para investir no sonho da música

Num encontro de duas gerações, e de duas artes, o construtor civil Percival Gomes e o então vendedor de materiais de construção Vinicius Arguelho se juntaram para levar o Mato Grosso do Sul e suas riquezas naturais para o cenário musical. Com o “Bicho do Mato”, os artistas sul-mato-grossenses mesclam dois sonhos para produzir poesia e música baseadas nas belezas do Pantanal.

As letras

Percival Gomes nasceu em Campo Grande em 1965 e começou a escrever poesia em 1980 quando manteve um mural literário na escola, aos 15 anos. Começou a carreira artística trabalhando como poeta de ecologia e seu trabalho ganhou notoriedade em São Paulo capital pelo projeto S.O.S. Tietê, quando escreveu um poema intitulado ‘Pintura à óleo’, sobre a poluição que assolava o rio.

(Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

Voltou para o MS em 2000, morando em Aquidauana, onde fez um projeto artístico cultural que foi bilíngue, em português e espanhol, e que circulou pela América Latina. Em 2003, escreveu as letras “Filho da Terra” (Bicho do Mato) e “Nos Braços do MS”, que virou música em parceria com Flávio Horta, onde canta sobre o orgulho de ser sul-mato-grossense. Apesar disso, o artista reitera que nunca foi possível viver apenas da arte.

“Eu tinha feito uma música chamada ‘Nos Braços do MS’, uma boas vindas para quem veio morar aqui. Minha mãe ouviu e achou um bom cartão de visitas para quem vem ao estado, mas e para nós que somos daqui? Que somos filhos da terra, bichos do mato? Me inspirei e fiz essa letra”, afirmou o poeta.

Os claves

Vinicius Arguelho, nascido e criado na cidade de Maracaju, no interior de MS, desde criança alimentava o sonho de ser cantor profissional. Lançou músicas autorais que foram para outros estados, como Mato Grosso e São Paulo, entre elas ‘’Preciso de Você’’ e “Meu Maracaju”, homenagem à sua terra natal.

“Faz 2 anos que decidi viver da música. Construí a minha estabilidade financeira com outro emprego e já parti pra música, meu grande sonho. Mas ainda assim é trabalho. A gente fica o tempo todo tentando provar pras pessoas que é um trabalho viver de música, viver de arte, compor, fazer shows e às vezes as pessoas não entendem”, reitera o cantor Vinicius Arguelho.

(Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

Atualmente, mudou-se para a cidade de Campo Grande e recentemente lançou seu primeiro álbum com 5 faixas, todas de sua autoria, presente nas plataformas digitais, como Spotify, Deezer, Itunes e Google Play. Aos 5 anos de carreira, o cantor viu em uma parceria com o poeta Percival Gomes uma oportunidade de levar o Mato Grosso do Sul para o mundo ao ajudar o poeta com a “matemática que é produzir a música”.

“Ele tem uma linguagem que os jovens às vezes não utilizam. Acho que todos deveriam ter esse acesso, essa facilidade em explorar esses temas e transformar e dar uma nova roupagem às músicas”, afirma Arguelho.

“Eu trabalho na construção civil e o Vini trabalhava com materiais de construção, era vendedor e me atendia lá na hora de comprar materiais e fiquei sabendo, na coincidência, que ele também era artista. Eu escrevo e ele canta”, confirma Percival Gomes.

Bichos do Mato

(Henrique Arakaki, Jornal Midiamax)

A dupla foi convidada no mês de setembro a se apresentar e palestrar durante a Semana de Combate ao Suicídio e escreveram um poema chamado ‘Quadro Negro em Branco’, acompanhada de uma encenação e a metáfora do ‘abraço do tamanduá’. A apresentação ganhou notoriedade do Centro de Valorização da Vida, instituição nacional de combate ao suicídio.

“Usei um tamanduá amarelo, pela cor do combate ao suicídio, e o pessoal ficou muito agradecido. O tamanduá é um bicho do Mato Grosso do Sul que tem um abraço, segundo falam, que o animal se levanta sobre as patas traseiras e abre os braços mostrando as garras, para se defender. Esse que levamos representava um abraço de vida”, contou o poeta Percival Gomes.

Os dois artistas, acompanhados do irmão de Percival, afirmam que as letras tem potencial para se tornarem hino do estado de MS através da simbologia que traz as plantas, animais e características do povo do Mato Grosso do Sul. Confira um pouco do trabalho abaixo:

Filho da terra
(“Bicho do Mato”)

Sou bicho do Mato Grosso do Sul.
Trazido pra este mundo por conta de um amor profundo.
Vim no bico da cegonha de laço vermelho no pescoço:
O Tuiuiú do sul do Mato Grosso.
Sou gentil. Sou hospitaleiro, tal qual um animal campeiro.
Mas, se estragam, poluem e maltratam
O estado natural do meu Pantanal,
Meu estado de espírito sai do curso!
Não fico mudo. Viro uma arara! Fico azul!
Em defesa do meu Estado Mato Grosso do Sul!
Viro uma fera para proteger com garras de onça
A terceira maior Reserva da Biosfera.
Sou assim, Sul-Mato-Grossense de fé!
Ao visitante amigo, dou boas vindas,
Com guisado de mandioca, arroz carreteiro e tereré.
Para os seus olhos, tenho um colírio de beleza!
Para seus ouvidos, melodia de chamamé!
Mas, para os que depredam com a mão ou com o pé
Nossa fauna e nossa flora,
Eu peço gentilmente para darem marcha à ré.
Para aprender a respeitar a natureza
E voltar em outra hora. Pois, para estes, sou jacaré!
Sou um corpo brasileiro e faceiro
Com a alma lavada em águas pantaneiras!
Sou feliz. Tenho eira e tenho beira.
Sou Centro–Oeste de carne e osso
Com um rio correndo em meu sangue azul.
Sou um filho querido nascido nas terras
Do Mato Grosso do Sul!

Mais notícias