Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC

Cerimônia aconteceu na noite da última segunda-feira durante a 71ª Reunião Anual da SBPC

Os artistas Almir Sater, Humberto Espíndola e Isaac de Oliveira receberam da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul o Título de Doutor Honoris Causa durante a última segunda-feira (22). A cerimônia tomou parte no Teatro Glauce Rocha e a participação foi aberta aos participantes da 71ª Reunião Anual da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).

A homenagem foi entregue aos artistas por sua contribuição à música nacional e regional e dedicação à produção artística relevante para a constituição da cultura sul-mato-grossense, com destaque no cenário internacional.

Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC

Honoris causa é uma expressão em latim e usada atualmente como um título honorífico, que significa literalmente “por causa de honra”. Normalmente, honoris causa é utilizada quando uma universidade deseja conceder um título de honra para uma personalidade de grande destaque ou importância por seu trabalho, e que tenha se destacado ou exercido grande influência em determinadas áreas, como nas artes, na literatura, na política ou promovendo a paz.

Almir Sater

Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC

O campo-grandense Almir Eduardo Melke Sater é o primogênito de Fuad e Nair, irmão de Giselle, Sybelle e Rodrigo. Casado com Ana Paula e pai de Gabriel, Bento e Ian. Desde criança se interessava por música, gostava de ouvir os discos de 78 rotações do avô Ibrahim e participar das festas árabes da família. Chegou a estudar piano e acordeon, mas o gosto pelo violão foi mais forte. Começou a tocar quando cursava o terceiro científico no Rio de Janeiro (RJ). Lá pediu aulas para Paulo Simões que, após três encontros, encerrou as aulas e começaram a tocar juntos. Cursou Direito, conheceu a viola de perto, formou a dupla Lupe e Lampião, participou do Festival da Record e deixou a faculdade para se dedicar mais à música. Retornou a Campo Grande em 1976, foi aprovado e cursou pouco mais de um ano de Educação Física na UFMS, até mudar-se novamente, agora para São Paulo, em 1978.

Acompanhou o grupo Tetê e O Lírio Selvagem e integrou o show “Vozes e Violas”, onde foi convidado a gravar o primeiro disco de sua carreira, “Almir Sater”, em 1981. Na discografia traz também os álbuns “Doma”; “Prata da Casa”, primeiro disco coletivo gravado em MS produzido pela UFMS; “Almir Sater instrumental”; “Cria”; “Rasta Bonito”, “Instrumental II”, “Almir Sater ao vivo”; “Terra de Sonhos”; “Caminhos Me Levem”; “7 Sinais”; e “AR”, com Renato Teixeira. Com este último álbum recebeu em 2016 os prêmios de melhor dupla regional na 27ª edição do Prêmio da Música Brasileira e de Melhor Álbum de Raízes em Língua Portuguesa no 17º Grammy Latino. Em 2018, os dois se reuniram novamente para lançar o disco “+AR” e ganharam de novo o Grammy Latino na mesma categoria.

Além do Festival MPB Shell, teve canções na trilha da novela “Pantanal” e como tema do Globo Rural. Integrou o projeto “Comitiva Esperança”, com Paulo Simões e Zé Gomes. Participou também dos curtas-metragens “As Bellas de Billings” e “Caramujo Flor”, sobre o universo poético de Manoel de Barros; atuou nas novelas “Pantanal”, “Rei do Gado”, “Bicho do Mato” e protagonizou “A História de Ana Raio e Zé Trovão”. Participou da gravação do DVD “Emoções Sertanejas”, em homenagem aos 50 anos de carreira de Roberto Carlos.

Humberto Espíndola

Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC

Artista plástico, animador cultural e membro da Associação Brasileira de Críticos de Arte (ABCA), Humberto Augusto Miranda Espínola tem ateliê em Cuiabá e Campo Grande, onde reside. Cria e desenvolve o tema Bovinocultura desde 1967. Primogênito de Alba Miranda Espíndola e Francisco Espíndola Neto, é irmão de Valquíria Patrícia, enfermeira aposentada, e de Aécio Sergio, Geraldo Cristovão, Marcelo Ricardo, Terezinha Maria, Alzira Maria e Marco Jerônimo Miranda Espíndola, músicos conhecidos como Sergio, Geraldo, Celito, Tetê, Alzira e Jerry Espíndola, respectivamente.

Bacharel em Jornalismo pela Universidade Católica do Paraná, começou a pintar motivado pelas aulas de História da Arte. Participou da I Exposição de Pinturas dos Artistas Mato-grossenses; fundou, junto a amigos, a Associação Mato-grossense de Artes, da qual foi diretor técnico. Entre diversas participações em exposições e mostras estão: XVII Salão Nacional de Arte Moderna e convidado no VII Salão Nacional de Artes Plásticas. Entre as premiações estão: indicação à VI Bienal de Paris; Isenção de júri no XVIII Salão Nacional de Arte Moderna; Prêmio Aquisição na III Exposição Jovem Arte Contemporânea, da USP; Prêmio Bolsa de Estudo no Exterior (extrarregulamentar) na XI Bienal Internacional de São Paulo; Prêmio Melhor do Ano em Pintura pela Associação Paulista de Críticos de Arte, I Bienal Latino-americana de São Paulo e I Bienal Ibero-americana de Pintura do México; e Prêmio Gonzaga Duque da ABCA. Representou o Brasil na XXXVI Bienal de Veneza (Itália) e III Bienal de Arte Coltejer, Medellin (Colômbia); participou da Bienal de Havana, Cuba; Bienal Internacional de Cuenca, Equador; de coletivas de brasileiros na América do Sul, na Venezuela, Chile e Bolívia; e de coletivas de artistas internacionais em Nova Iorque (EUA).

É cofundador e foi diretor do Museu de Arte e de Cultura Popular da UFMT; foi gestor artístico do Museu de Arte Contemporânea de MS; recebeu o título de Cidadão Benemérito de Campo Grande; e foi o primeiro Secretário de Cultura de MS. Autor do Marco da Cabeça de boi e do painel Memórias de MS, em Campo Grande; mural externo Bovinocultura – Pavilhão, em Corumbá, monumento Bovinocultura – O Carro-chefe, em Cuiabá e Marco Comemorativo do Centenário da Imigração Japonesa, em Três Lagoas. Suas obras integram diversos acervos no Brasil, Alemanha, México, Cuba e Inglaterra. Autor do livro Pintura e verso e coorganizador da obra MACP.

Isaac de Oliveira

Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC

O artista plástico José Isaac de Oliveira é natural de Itajuípe (BA) mas passou a infância, adolescência e juventude em Campinas (SP). Casou-se muito jovem com Claudete, com quem teve dois filhos, Paola Cardenas de Oliveira e Cauê Cardenas de Oliveira. Após sete anos de casamento ficou viúvo e em 1984 casou-se novamente, com Selma Rodrigues (Secéu). Do filho Cauê veio o neto Gregório. Isaac teve longa atuação na publicidade como ilustrador e a partir de 2016 passou a dedicar-se exclusivamente à pintura.

Estudou Belas Artes na Escola de Campinas de Belas Artes, sem finalizar o curso. Mudou-se para a capital São Paulo, atuou como publicitário e, paralelamente conheceu e conviveu com artistas do cenário paulista em ambientes culturais da época. A Arturo Molina atribui a aquisição de grande conhecimento artístico sobre o mundo das artes e suas técnicas, grandes murais, tapeçaria pintada, técnicas a óleo e História da Arte e cultura.

Veio para Campo Grande em 1978 a convite de Chico Lacerda, para fundar uma agência de publicidade. Aqui passou a se dedicar mais à pintura e comercializar seus quadros profissionalmente. Participou da efervescência artístico cultural do estado recém criado, com grupos e movimentos em busca da identidade cultural sul-mato-grossense e exposições e salões em diversas cidades.

A influência regional se torna evidente a partir da década de 80 quando o artista se volta a uma série de pinturas de índios e animais da região e posteriormente índios do Brasil. Na década de 90 Isaac começa a pintar pássaros do cerrado, quase abstratos. Utiliza-se de fotografias para registro, a partir das quais, por meio da observação da profundidade, cores e nuances das paisagens ao fundo das imagens, transfere à pintura por movimentos gestuais.

Por gostar muito de pescar no Pantanal, passa a pintar também peixes, em seguida fauna e flora e, posteriormente, frutas e verduras, tudo a partir da observação direta. O artista conta que este foi um período de intensas buscas por técnicas, formas e materiais de qualidade que dessem conta de expressar as cores e estilo próprio que procurava. Entre outras homenagens, teve um quadro premiado como aquisição no III Salão de Artes Plásticas MS. Em 2013 abriu uma galeria e escritório de Arte, uma tendência dos artistas contemporâneos, advindo da necessidade de espaço para expor e vender suas obras.

Artistas de MS recebem títulos de Doutor Honoris Causa na SBPC
Mais notícias