Polícia Civil investiga casos de assédios de Pyong em festa do BBB20

O processo, segundo a polícia, ainda está no início e tem como base notícias e tudo o que tem sido veiculado na imprensa

A Polícia Civil do Rio de Janeiro por meio da DEAM (Delegacia Especial de Atendimento à Mulher) de Jacarepaguá, abriu investigações sobre o comportamento de Pyong Lee durante uma das festas do 20 neste fim de semana para apurar se houve assédio por parte do participante. A mesma situação aconteceu com Petrix, e o caso segue em investigação.

O processo, segundo a polícia, ainda está no início e tem como base, além das imagens do programa, notícias e tudo o que tem sido veiculado na imprensa e nas redes sociais. Não há uma data para que ele seja ouvido nem a confirmação se isso de fato vai acontecer durante o programa.

Durante a última festa, Pyong abraçou Marcela por trás e depois ameaçou dar um beijo nela. Na ocasião, a sister se mostrou um pouco incomodada, já que o ato foi impulsivo e ele tem uma mulher fora do reality. A esposa do hipnólogo está grávida de nove meses.

Em seguida, Pyong abraçou Flayslane e pareceu apertar o traseiro da cantora. Os atos causaram muita revolta nas redes sociais com muita gente pedindo pela expulsão do competidor.

Desde então, Pyong foi chamado ao confessionário e avisado dos atos. Ele alegou que a bebida o havia feito perder o controle. De lá para cá, vem pedindo desculpas à esposa diversas vezes. Ele também parece ter ficado mais retraído na postura e no jeito de agir. Flayslane e Marcela, quando perguntadas, disseram que não haviam se sentido assediadas.

Polícia Civil investiga casos de assédios de Pyong em festa do BBB20
Mais notícias