Jornalista abre o jogo sobre Clodovil e fala de assédios e má fama nos bastidores

Rosana Hermann contou em seu Twitter a sua experiência com o falecido apresentador

A jornalista e escritora Rosana Hermann desabafou em seu Twitter, neste domingo (27), sobre o apresentador e estilista Clodovil, que morreu em 2009, aos 71 anos, ao sofrer um AVC. Rosana escreveu sobre os assédios morais e físicos sofridos pelos companheiros de cena e bastidores de Clodovil, chegando a citar a inimizade do apresentador com Marília Gabriela na época que apresentavam o TV Mulher nos anos 80, e também seu grande ego.

Rosana relembrou de quando foi roteirista de um programa do Clodovil na Band. “Clodovil brigava e gritava com toda a produção, fazia gente chorar. Queria convidados como Maria Bethania, que a produção não conseguia porque BETHANIA não queria dar entrevista pra ele. Mas ninguém dizia pra não magoá-lo. Então ele chamava as produtoras de incompetentes, que não sabiam produzir, que deviam passar 1 mês mandando flores pra ela diariamente. (imagine!). Mas, ok, a gente superava. Até que eu VI algo que ACABOU COMIGO”, afirmou.

Ela continuou: “Ele cismou com um câmera (não vou dizer o nome) e ficava cantando o cara no estúdio, na frente de todo mundo. O cara, quietão, na dele, respeitava, não falava nada. Mas o assédio foi aumentando, aumentando. E o cara disse ‘não’ pro apresentador. Que fez o que? PEDIU A cabeça do câmera que foi DEMITIDO. Casado com 3 filhos. Perdeu o emprego pq disse ‘não’ para os assédios do apresentador. O programa estreou com grande sucesso, com a cantora Cláudia num vestido que ele fez pra ela (lindo!) cantando Evita (do musical), tudo um luxo. Mas foi degringolando com o tempo e acabou. Porque ele era CRUEL, com as pessoas, especialmente as mais simples”, disse.

Para ler o relato completo basta acessar o último tweet do desabafo abaixo:

Mais notícias