Aplicativos de encontros crescem durante a pandemia

O distanciamento social necessário para conter o avanço da Covid-19 vem mudando completamente as relações humanas. Essas mudanças de comportamento ocasionaram um grande crescimento nos aplicativos de encontros, mesmo que, no momento, muitos estejam impossibilitados de sair de casa para se encontrar com alguém.

Em países mais afetados pela pandemia, como Itália e Espanha, o crescimento no número de mensagens trocadas no Tinder, maior aplicativo do gênero, chegou a 35%. Nos Estados Unidos, apenas no último dia 29 de março foram registrados mais de três bilhões de deslizamentos, que é o ato de escolher ou não uma pessoa para conversar dentro do app – um recorde histórico.

Aline Moura é a editora de artigos adultos na página Guia55 e acredita que a solidão provocada pelo isolamento é o grande motivo dessa maior busca por apps de encontros. Para ela, mesmo que não seja possível sair com quem encontra nos aplicativos, a simples sensação de conhecer pessoas novas, interagir e flertar, já alivia esse sentimento, dando uma sensação de estar vivendo uma vida normal.

Até mesmo pessoas casadas estão criando contas nas plataformas de paquera, sem nenhuma intenção de marcar encontros – apenas como forma de aliviar o isolamento social. Mesmo assim, há quem não resista e acabe marcando encontros presenciais. Por isso, grande parte desses apps está constantemente alertando seus usuários dos perigos do contato humano.

 

corção feito de 0101 simbolizando encontros emocionais virtuais
Conexões emocionais, é isso que tem se buscados nos aplicativos de “encontros” | Ilustrativa – Banco de imagens

Contato emocional

Uma prova de que os encontros físicos foram deixados de lado por quem utiliza os apps de paquera está também no Tinder, que liberou para todos os usuários uma funcionalidade que permite simular localizações e conhecer pessoas de qualquer cidade do mundo, que em tempos normais já não seria possível encontrar. A empresa justificou a iniciativa ressaltando a importância de ter alguém para conversar em momentos difíceis.

Esse movimento subverte a premissa de vários desses aplicativos, que consistia em pessoas buscando relações físicas, mas passageiras. Com o isolamento, as relações emocionais tomam conta e substituem o contato sexual que antes era priorizado pelos usuários.

O crescimento dos aplicativos de encontros, juntamente com o isolamento forçado, acabou acentuando algumas das tendências comportamentais que já eram observadas antes da pandemia. Uma delas é o “sexting”, termo usado para conversas virtuais de cunho sexual, que podem incluir envio de fotos e vídeos. Essa, que já era uma prática cada vez mais comum entre os adolescentes, acabou ganhando espaço também entre os mais velhos.

Outra consequência da maior procura por encontros virtuais é o enorme crescimento dos aplicativos que oferecem chamadas por vídeo. Um exemplo é o Zoom, app destinado a conversas virtuais coletivas em vídeo, que teve um aumento de 19 vezes em seu número de usuários, fazendo com que suas ações valorizassem 60%, mesmo em meio a crise financeira mundial.

Aplicativos de encontros crescem durante a pandemia
Mais notícias