Campo-grandense faz campanha nas redes sociais para encontrar o pai no Japão depois de quase 10 anos

A arquiteta e urbanista Pri Sati não encontra o pai desde que tinha 17 anos e o último abraço foi no aeroporto de Campo Grande

A jovem arquiteta Priscila Sati Peret Yamanari não vê o pai há quase 10 anos desde que ele foi para o Japão para conseguir ter uma renda melhor para a família. Neste fim de semana, a campo-grandense viralizou nas redes sociais ao compartilhar a última foto com o pai, Ricardo Liyudi Yamanari, quando se despediu em 2010 no aeroporto e seu único contato passou a ser pelas redes sociais.

A publicação de Priscila em seu Instagram, @pri.sati, alcançou até a finalização desta matéria mais de 12 mil curtidas e rendeu à arquiteta 15 mil seguidores na rede social. Na legenda, Priscila fala sobre um concurso do consulado japonês que escolhe 15 descendentes de japoneses de toda a América Latina e Caribe para ganhar uma viagem com tudo pago para Nihon, no Japão, em troca da divulgação da cultura do país.

“Essa foi a última vez que vi meu pai, que dei o último abraço. Lembro direitinho, foi no aeroporto de Campo Grande – MS em 2010. Sinto muita saudade da companhia que ele fazia, das conversas imensas sobre história, tecnologia, ficção.
Embora a saudade exista, nada disso me impediu de ser a mulher que sou hoje. Na verdade me ajudou a ter toda essa estrutura e força para alcançar meus objetivos”, escreveu a arquiteta.

View this post on Instagram

Essa foi a última vez que vi meu pai, que dei o último abraço. Lembro direitinho, foi no aeroporto de Campo Grande – MS em 2010. Sinto muita saudade da companhia que ele fazia, das conversas imensas sobre história, tecnologia, ficção. Embora a saudade exista, nada disso me impediu de ser a mulher que sou hoje. Na verdade me ajudou a ter toda essa estrutura e força para alcançar meus objetivos. Nesta semana recebi um e-mail com um digamos assim concurso, pelo consulado Japonês concorrendo uma viagem para o Nihon, o intuito da viagem é divulgar a cultura, as cidades e vivências do povo japonês. Para que isso aconteça, preciso de um número alto de seguidores, e para também divulgar a viagem pro máximo de pessoas possíveis. São apenas 15 pessoas em toda América Latina e Caribe, bem concorrido, mas acredito que com a ajuda enorme que estou recebendo, esse sonho de ir ao Japão possa se realizar. Portanto peço uma ajudinha sua, pra divulgar essa foto no seu stories me marca lá (@pri.sati) e me ajudar nessa corrida contra o tempo para aumentar meu número de seguidores. Gostaria de agradecer ao governo Japonês pela oportunidade de participar do processo seletivo do Mofa e ao @consulgeraldojapaorj. Para quem ainda não sabe, atualmente moro em Belo Horizonte, portanto a jurisdição do Rio de Janeiro que representa Minas Gerais. Paizin tô chegando s2 #japao #nihon #viagemdossonhos #consuladodojapao #brasiljapao #nihonbrazil #travel #trip #sonhar #vida #consuladojapaorj #brasil #viagem

A post shared by Pri sati (@pri.sati) on

Além dos seguidores na rede social, o participante precisa ser fluente em inglês, ter desenvoltura para conversar, ter um grande número de contatos,além de ter a descendência japonesa. A arquiteta ressalta que mesmo com a internet, a saudade é grande e uma das maiores dificuldades é o fuso horário de 12 horas.

“Não é a mesma coisa mesmo, exitem detalhes do dia a dia que tanto eu quanto ele, não podemos acompanhar. Foi um período que saí da escola, fiz cursinho para entrar na universidade, passei em arquitetura na UFMS e hoje sou arquiteta e urbanista. Faz muito tempo da foto… fechando os olhos lembro de uma dorzinha no peito mas sabia que seria o melhor para ele e para mim, assim foi”, conta Priscila Sati ao Jornal Midiamax.

Sobre a repercussão da postagem, a arquiteta ressalta que não imaginava que a publicação tivesse um alcance tão grande e que conversou com o pai sobre a possibilidade muito antes de eu entrar no concurso, sobre os benefícios e consequências em ter um perfil público assim.

“Quarta feira eu tinha 900 e pouco seguidores com perfil fechado, maioria dos perfis que eu tinha eram de amigos meus e pessoas realmente conhecidas. Então foi muito inesperado, eu estaria satisfeita com 2 mil já. Não consegui agradecer a todos, pois é muita gente! Então aqui vai meu agradecimento pelo carinho que todos tiveram comigo”, finaliza Priscila.

Para ajudar a jovem a abraçar novamente seu pai, como na foto, depois de 9 anos, basta seguir seu perfil na rede social Instagram (@pri.sati), compartilhar a publicação no stories e marcá-la. O concurso dura até o próximo dia 4 de dezembro, quando serão escolhidos os 15 vencedores.

Mais notícias