Situação dos Guarani e Kaiowá em MS sensibiliza atores, apresentadores e músicos

Artistas reconhecidos nacionalmente manifestaram apoio ao “Festival Mba’e Porã”, que pretende arrecadar recursos para os povos indígenas afetados pela COVID-19

A situação de precarização dos povos indígenas Guarani e Kaiowá em Mato Grosso do Sul, agravada pela disseminação da Covid-19 entre as aldeias, sensibilizou atores, apresentadores e músicos reconhecidos nacionalmente e internacionalmente, como Cissa Guimarães, Renata Sorrah, Luiz Carlos Vasconcelos, Dira Paes, Zeca Baleiro, Renato Teixeira, além de Geraldo Espíndola, Tetê Espíndola, Jerry Espíndola, entre outros.

Nas redes sociais, diversos artistas manifestaram apoio ao “Festival Mba’e Porã: arte pela proteção dos povos indígenas”, que é realizado virtualmente, de 7 a 16 de agosto. O evento tem o objetivo de arrecadar recursos para a construção de poços artesianos e para a compra de equipamentos de proteção individual (EPI’s) para os Guarani e Kaiowá de Dourados, cidade localizada na região centro-sul de Mato Grosso do Sul.

“Os Guarani e Kaiowá estão sofrendo muito com o avanço da pandemia nas aldeias. Ajude. As populações indígenas agradecem. Todos nós, agradecemos. Todos nós, somos um só”, disse a atriz e apresentadora Cissa Guimarães em um vídeo compartilhado em sua conta do Instagram.

O ator Luiz Carlos Vasconcelos, que vive o personagem Miguel, vilão da série “Aruanas”, lançada em maio deste ano pela , também falou sobre a solidariedade aos povos indígenas durante a pandemia. “O povo Guarani e Kaiowá precisa muito da nossa ajuda nesse tempo de Covid-19, sem assistência, quase nenhuma, do Governo Federal. Nós não podemos ficar fora desse movimento. Contamos com você”, afirmou.

O cantor e compositor Zeca Baleiro, que também participará da programação do evento, juntamente com Jerry Espíndola, também falou sobre a solidariedade aos povos originários. “A gente vai cantar, tocar e conversar um pouco, doando a nossa música em um gesto de amor e solidariedade aos povos indígenas, que têm tanto a nos ensinar, sobretudo o respeito à natureza que nós, ‘civilizados’, estamos deixando para trás”, destacou.

“Apoio o Festival Mba’e Porã e assino embaixo. Vamos mostrar para os índios que eles são nossos irmãos, são nossos ancestrais, sofreram uma invasão e até hoje estão tentando sobreviver. Vamos mudar o conceito de ‘nós’? Vai ser bom pra todo o mundo!”, enfatizou o músico Renato Teixeira.

Nas redes sociais @festivalmbaepora é possível conferir todos os depoimentos e manifestações de apoio de diversos artistas ao evento.

PROGRAMAÇÃO

O Festival Mba’e Porã segue até o próximo domingo, 16 de agosto. A programação, que começa às 17h, conta com “Diálogos”, além de apresentações de música, teatro, e poesia com artistas indígenas e artistas não-indígenas do Estado e do Brasil. Todas as atrações são transmitidas pelo e YouTube.

Para ajudar os povos Guarani e Kaiowá, você pode acompanhar a programação do Festival e fazer uma doação, de qualquer valor, por meio da Vakinha On-line. O Festival também conta com uma exposição on-line, com mais de 50 peças (pinturas, esculturas, artesanato), doadas por artistas do Estado. Basta acessar o site do evento para adquirir uma das obras de arte.

MBA´E PORÃ

A iniciativa do Festival em prol dos Guarani e Kaiowá surgiu de maneira coletiva. De acordo com a organização, os recursos devem auxiliar as comunidades indígenas no acesso à água potável, além da aquisição de itens básicos para a prevenção contra o Novo Coronavírus, como como máscaras e álcool 70%. O evento conta com a participação de mais de 100 artistas, além de educadores,

Situação dos Guarani e Kaiowá em MS sensibiliza atores, apresentadores e músicos
Mais notícias