#Retrospectiva 2020: Relembre personalidades de MS que nos deixaram este ano

Ano de 2020 foi atípico por conta do coronavírus

Quando chega em dezembro, sempre nos lembramos nas personalidades, tanto nacionais quanto regionais, que nos deixaram durante os últimos doze meses. Este ano, por conta da pandemia, além de pessoas famosas, milhares de famílias choraram com a despedida de um ente querido, um amigo ou conhecido vitimado por complicações do coronavírus.

O Jornal Midiamax fez uma retrospectiva de pessoas conhecidas no Estado que faleceram em 2020.

Janeiro

Mariana: A bióloga Mariana Pires Veiga Martins, de 28 anos, uma das sobreviventes de um acidente com ônibus turístico no Peru, não resistiu aos ferimentos e morreu na tarde do dia 15. Ela estava internada na (Unidade de Terapia Intensiva) de um hospital em Lima, Capital peruana.Mariana estava com o namorado Danilo Pereira de Oliveira quando sofreu o acidente – ele teve ferimentos leves e recebeu alta no dia seguinte ao acidente, que ocorreu no dia 6 de janeiro. No sábado (12), o estado de saúde da bióloga apresentou pequenas melhoras, mas conforme publicado em rede social pela mãe de Mariana, o coração dela não aguentou e ela veio a óbito.

Vladimir: O policial rodoviário federal Vladimir Struck morreu no dia 10 após ser atropelado quando trabalhava com a equipe na MS-258.  Mesmo sendo policial rodoviário federal, Struck fazia um atendimento em estrada estadual, a rodovia MS-258, quando foi atingido por um carro conduzido por um homem de 73 anos, na região do Capão Seco, em Sidrolândia.

Vladimir era um dos principais adeptos do Aliança pelo Brasil e, conforme já se especulava nos bastidores, era um dos pretensos candidatos a prefeitura de Sidrolândia.

Rui: Morreu no dia 9 o ex-prefeito de Corumbá Rui Waldo Albaneze, aos 75 anos. Ele estava internado há vinte dias no CTI de um hospital de Cuiabá (MT), onde residia. Albaneze lutava contra uma leucemia e também sofria de diabetes e fazia hemodiálise. Empresário e pecuarista, Rui Waldo Albaneze comandou a cidade de Corumbá nos anos 1980.

Antônio: O jornalista e servidor público da prefeitura de Itaporã, Antônio Carlos Ferrari de 61 anos, conhecido como Papai Noel de Dourados, morreu na madrugada do dia 5 no Hospital Evangélico em Dourados em decorrência de complicações surgidas após uma cirurgia cardíaca. Ele estava internado desde o dia 11 de dezembro do ano passado depois de ter um mal súbito enquanto trabalhava como Papai Noel no Shopping China em Pedro Juan Caballero.

Renato: Morreu no dia 4 de janeiro, o  cacique indígena Renato de Souza, 68 anos,da Aldeia Jaguapiru. Ele teve complicações renais.  No ano passado, por conta de uma confraternização que realizou em sua casa no Dia do Índio, ele fez algumas críticas à ação de grupos que agiam nas comunidades. Ele também tinha preocupação com a identidade local, principalmente com os indígenas mais jovens, que deixavam antigos hábitos de lado.  A maioria, segundo o cacique, tem vergonha de dançar e até de dizer na cidade que é indígena.

Fevereiro

Dirceu: Foi confirmada, no dia 24 de fevereiro, a morte do ex-prefeito de Amambai Dirceu Lanzarini que estava internado no Hospital do Coração, em Dourados. Ele foi atingido por um tiro na cabeça quando saia de sua fazenda, em Amambai, supostamente após ter discutindo com um funcionário.  Ao chegar ao hospital, Dirceu sofreu uma parada cardiorrespiratória. A equipe médica tentou reanimá-lo por cerca de uma hora, mas não conseguiu.

Léo: O jornalista brasileiro Léo Veras sofreu um atentado a tiros e morreu no hospital de Pedro Juan Caballero, cidade paraguaia vizinha a sul-mato-grossense Ponta Porã, na noite desta quarta feira (12).

Léo jantava com a família no quintal de casa quando três homens encapuzados chegaram ao local e atiraram contra ele. O jornalista tentou fugir mais foi atingido. Ele foi socorrido ao hospital da cidade onde não resistiu aos ferimentos e veio a óbito.

Março

Sylvio: Morreu, na tarde do dia 2, o médico anestesista Sylvio Torrecilha, aos 89 anos. Ele é considerado um dos pioneiros da anestesiologia no Estado, um dos professores fundadores da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul) e foi um dos fundadores, em 1961, do Teatro Universitário de Campo Grande, ao lado da saudosa Maria da Glória Sá Rosa e de Orlando Mongelli.

Torrecilha é descrito como uma referência para os grupos teatrais da década de 1970 e 1980 e também como um grande incentivador do futebol no Estado.

Abril

Agripino: Morreu, no dia 26, o mestre curureiro Agripino Magalhães, aos 101 anos. Por conta da idade avançada, ele vinha apresentado problemas de saúde e faleceu em casa, segundo informou o Diário Corumbaense. Nascido em 11 de junho de 1918 em Poconé (MT), Agripino era considerado um dos ícones da cultura local e visto como o maior mestre cururueiro de Corumbá e Ladário, onde se instalou ainda jovem, aprendendo com o avô o ofício de cururueiro –tendo fabricado mais de 300 violas com os padrões e superstições que integram este Patrimônio Cultural Imaterial brasileiro, como lembrado pelo Diário Corumbaense.

Wilson: Morreu em Campo Grande, aos 89 anos, o ex-prefeito de Ribas do Rio Pardo, Wilson Ricartes de Oliveira. Ele estava internado no Hospital da Unimed, onde se recuperava de uma cirurgia, quando sofreu complicações que culminaram em falência de órgãos na manhã do dia 19.

Pecuarista e engenheiro agrimensor, “trabalhando em praticamente todas as fazendas antigas daqui com o irmão”, como citou o filho, Wilson Ricartes de Oliveira foi vereador de Ribas do Rio Pardo entre 1959 e 1963, também presidindo o Legislativo municipal. Em 1963, tornou-se prefeito da cidade, administrando-a até 1967.

Alanys: Morreu, na manhã do dia 14, a jovem advogada Alanys Matheusa. Um ponto fora da curva, a mulher trans, negra e periférica moradora do Bairro Guanandi teve uma parada cardiorrespiratória. De acordo com a Sesau (Secretaria Municipal de Saúde), Alanys deu entrada na Upa Leblon às 7h e a morte foi constatada às 7h20.

A jovem ganhou notoriedade nacional no último ano após ser destaque na revista Intercept Brasil como a primeira mulher trans negra a se tornar advogada em Mato Grosso do Sul.

Maio

Martins: O maratonista Martins Soares de Oliveira morreu aos 65 anos na tarde do dia 29. O militar veterano lutava há mais de um ano contra um câncer na bexiga e era reconhecido no esporte sul-mato-grossense.  Natural da Bahia, o Professor Martins, participou inúmeras vezes de provas tradicionais nacionalmente, a exemplo da Corrida de São Silvestre e Meia Maratona do Rio de Janeiro. Além disso, sempre foi um amante e defensor da marcha atlética.

Lino: O artista plástico e repórter cinematográfico, Lino Bambil, morreu também no dia 29, em Campo Grande. Ele foi encontrado morto em casa no bairro Rita Vieira e segundo informações da ocorrência, a família não tinha notícias dele há dois dias. Não havia sinal de violência e o caso foi registrado como morte a esclarecer. Lino Bambil era artesão dedicado às artes plásticas, observador da natureza, especialmente a fauna. Produzia arte há mais de 40 anos e costumava expor seus trabalhos na Praça dos Imigrantes, centro da Capital. Algumas de suas obras talhadas em madeira reproduziam a riqueza da fauna sul-mato-grossense. 

Mauro: A Câmara Municipal de Campo Grande comunicou o falecimento do garçom Mauro Firmino, servidor da Casa de Leis por 15 anos. Ele tinha 73 anos e estava internado no Proncor, onde tratava de complicações de câncer de pâncreas, e faleceu na manhã do dia 20.

Celso: Ídolo do Operário Clube nos anos 80, o ex-zagueiro Celso Zottino, que participou brilhantemente do time que foi campeão do módulo branco da Copa União em 1987, morreu na manhã do dia 18, aos 60 anos. O ex-atleta estava internado em um hospital de São Paulo, mas não resistiu à luta contra o câncer. Ele deixa esposa e duas filhas.

Edwino: Na manhã do dia 10, o ex-prefeito da cidade de Chapadão do Sul, Edwino Raimundo Schultz faleceu por conta de uma infecção renal, após ficar cerca de 15 dias internado e em coma induzido em um hospital de Campo Grande. Ele foi o primeiro prefeito a comandar o município entre os anos de 1989 a 1992. Schultz estava debilitado em sua residência desde o dia 27 de abril por conta da infecção. Primeiramente foi encaminhado ao Hospital Municipal de Chapadão do Sul, mas após rápido diagnóstico, logo foi feita a transferência para a Capital.

Claudineis: O delegado de Polícia Civil Claudineis Galinari morreu, na madrugada do dia 1, vítima de problemas cardíacos. Ele tinha 56 anos e estava aposentado da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, onde atuou por muitos anos. Atualmente residia em sua cidade natal, Nova Esperança, no Paraná.

Conforme as informações divulgadas pela Polícia Civil em uma nota de falecimento, Galinari deu entrada no hospital em Nova Esperança na noite de quarta-feira (29), com arritmia cardíaca. Ele foi transferido com urgência para o hospital Paraná na cidade de Maringá, onde foi internado na (Unidade de Terapia Intensiva), mas não resistiu e faleceu durante a madrugada de hoje.

Junho

Celso: O empresário Celso Augusto Caleffi de Souza, 58 anos, que vivia em Campo Grande, morreu em Boa Vista (RR) em decorrência do novo coronavírus. Ele havia seguido com familiares para Roraima, onde havia adquirido recentemente uma fazenda, e contraiu a Covid-19. Caleffi de Souza era sócio da Concrelaje, uma das principais fabricantes de lajes pré-fabricadas de Mato Grosso do Sul, e com o irmão fundou o laticínio Bella Búfala, em Bandeirantes.

Antônio: Morreu, no dia 21,  o ex-prefeito de Ivinhema, Dr. Antônio de Pádua Diogo, conhecido como Dr. Diogo. Ele tinha 71 anos e lutava contra um câncer no estômago. O ex-prefeito estava morando atualmente em Deodápolis. Doutor Diogo deixa o filho Davi e a filha Júlia. A esposa dele, Maria do Socorro Cardoso de Souza havia falecido em dezembro de 2017.

Seu mandato foi de 1993 a 1996, fez parte da história política de Ivinhema.

Júlio: Um dos colonizadores de Chapadão do Sul, Júlio Alves Martins, de 91 anos, morreu na tarde do dia 13, após passar mal em sua fazenda, às margens da MS-306. Ele chegou a ser socorrido pelo Corpo de Bombeiros e encaminhado ao hospital do município, mas acabou falecendo, vitima de infarto. O “Seu Júlio”, como era conhecido, nasceu no dia 19 de dezembro de 1928, em um sítio localizado no município de Ijuí, no Rio Grande do Sul. O idoso que era filho de uma norte-americana e de um gaúcho e o mais velho de nove irmãos.

Blenner: O jogador de futebol Blenner Marçal de 19 anos morreu ao sofrer um mal súbito enquanto jogava futebol na noite do dia 4, no campo sintético municipal, localizado no bairro Sonho Meu 4, em Costa Rica, cidade a 330 quilômetros de Campo Grande. Blenner, jogador de futsal e que também já atuou pelo CREC (Costa Rica Esporte Clube), é filho da vereadora por Costa Rica, Rosângela Marçal Paes (PL). Segundo informações, Blenner teria participado de quatro partidas quando pediu para sair pelo fato de não estar se sentindo bem. Ele então seguiu em direção ao pai, Roberto Marçal, que também estava no local, momento em que caiu na frente dele.

Julho

José: Vereador de Terenos, cidade distante 28 quilômetros de Campo Grande, José Agostim Acosta Neto, conhecido como Zé Corim, 67 anos, morreu nno dia 31, vítima de coronavírus, de acordo com a SES (Secretaria Estadual de Saúde). O prefeito da cidade, Donizete Barraco, postou homenagem em suas redes sociais, informando o falecimento do parlamentar.

Silvio: O médico e cirurgião vascular Silvio Haddad morreu no dia 25, em Campo Grande. Aos 64 anos, lutava uma batalha contra o câncer, além de complicações pulmonares. Além de médico, Haddad foi um dos primeiros a introduzir o vinho na capital, se tornando presidente da Confraria do Vinho de Campo Grande, além de membro da Loja Maçônica Raul Santos de Matos.

Francisco: O cinegrafista Francisco Ogassis Leite Rodrigues da Paz, conhecido como Chico Leite, de 52 anos de idade, morreu no dia 23, em Dourados. De acordo com amigos de trabalho, ele teve um ataque cardíaco, por volta de duas horas da madrugada, em sua residência. Chico Leite trabalhou por vários anos na antiga TV Caiuás, atual RIT e atualmente integrava o quadro de funcionários do Departamento de Comunicação da Unigran.

Francisco: Morreu na noite do dia 19, o ex-comandante geral da Polícia Militar e ex-secretário-adjunto do Detran-MS, coronel Francisco Libório Silveira, em Campo Grande. Conformes postagens nas redes sociais ele foi vítima de um infarto fulminante. Coronel Libório tinha 69 anos e era da reserva remunerada. Ele era formado em Direito e foi comandante geral da PM durante o governo de Wilson Barbosa Martins.  Entre 2007 e 2014 foi diretor-adjunto do Detran-MS, voltando ao cargo em 2017 até março de 2020.

Roberto Wolf morreu aos 65 anos de idade depois de dois meses internado em um hospital de Campo Grande. Ele faleceu no dia 12 e a causa da morte ainda não foi divulgada. Wolf era conhecido pelo trabalho à frente do Operário Clube, ele também foi presidente da FIEMS (Federação das Indústrias de Mato Grosso do Sul) e do Sesi (Serviço Social da Indústria).

A Fundesporte (Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul) divulgou uma nota de pesar ao falecimento do ex-presidente do Operário. Nascido em Andradina (SP) e graduado em Ciências Econômicas pela UFMT *Universidade Federal de Mato Grosso), Roberto Wolf atuou em cargos de relevância na presidência da Fiems e do Sesi.

Agosto

Daniel Alves, 51 anos, radialista em Nova Andradina, a 297 quilômetros de Campo Grande, ex vice-prefeito da cidade paulista Alvares Machado, morreu no início da madrugada do dia 31, após sofrer um infarto. Daniel era petista e na cidade de Nova Andradina foi candidato a deputado estadual tendo 497 votos na última eleição e também no pleito passado, disputando como candidato a vereador, obteve 176 votos, sendo terceiro suplente do partido.

Leyde: Faleceu na tarde do dia 29, em Campo Grande, a jornalista Leyde Alves Pedroso. Ela estava internada na (Unidade de Terapia Intensiva) da Santa Casa de Campo Grande em estado grave desde meados deste mês, sendo diagnosticada no dia 14 como caso positivo de coronavírus.

Lélia Rita Euterpe de Figueiredo Ribeiro faleceu no dia 23 por complicações decorrentes do coronavírus. A escritora ocupava a cadeira de número 27 da Academia Sul-Mato-Grossense de Letras desde 1986. A ASL emitiu nota de pesar, onde destacou a importância de Lélia Rita na sua atuação em diversas áreas culturais e artísticas de Mato Grosso do Sul, tendo realizado alguns dos primeiros programas e projetos de Levantamento do Patrimônio Histórico, Cultural e Artístico de MS. A acadêmica da ASL escreveu o livro “O homem e a Terra”, onde relatou andanças do pai pelo Estado, demarcando terras que viraram amplas cidades anos mais tarde.

Reginaldo: O empresário Reginaldo Rosa de 42 anos, morreu na madrugada do dia 25, em Dourados, vítima de coronavírus. Ele estava internado no Hospital Santa Rita há uma semana  e comandava a empresa Pró Gol que mantem um escolinha de futebol há 10 anos em Dourados.

Luiz: O juiz aposentado do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul), Luiz Carlos Saldanha Rodrigues, aos 76 anos, morreu no dia 23 no Hospital do Proncor. De acordo com a família, Saldanha deu entrada para exames de rotina na última sexta-feira (21), no Hospital do Procor, onde ficou internado e veio a sofrer um infarto neste domingo.

Doutor Saldanha, como era conhecido, iniciou a carreira como advogado criminalista, sendo um dos fundadores do 2º Juizado Criminal na Capital. Foi Presidente do Tribunal de Justiça Desportiva do MS e professor e membro da Diretoria da  Amamsul (Associação dos Magistrados de Mato Grosso do Sul).

Antônio: Aos 75 anos, o advogado Antônio Rivaldo Menezes de Araújo morreu no dia 16, na Capital ,vítima do novo coronavírus. Doutor Antônio, como era conhecido, deixa esposa e seis filhos, ele será sepultado no cemitério Cemitério Santo Antônio, em Campo Grande. Com 47 anos exercendo a advocacia, Antônio foi juiz do TRE-MS, sendo membro nos biênios 1997-1999 e 2001-2003. Foi Chefe de Gabinete do ex-prefeito de Campo Grande, Albino Coimbra Filho e Secretário Estadual do ex-governador Pedro Pedrossian.

Geraldo:  O gestor de atividades do Detran-MS (Departamento Estadual de Trânsito) de Aquidauana, a 143 quilômetros de Campo Grande, Geraldo Vória morreu no início da manhã, do dia 14, no Hospital Regional da cidade, com suspeita de coronavírus. Os exames com a causa da morte ainda são aguardados.cNatural de Governador Valadares (MG), Geraldo tinha 64 anos, era servidor público em Mato Grosso do Sul, gestor no Detran e também professor antes de assumir o órgão estadual.

Ilson: O corumbaense, pioneiro de Brasília, Ilson de Figueiredo foi mais uma das inúmeras vítimas do coronavírus no Brasil. Ele morreu aos 83 anos, após 15 dias internado no Hospital DF Star, na Asa Sul. Ilson, servidor aposentado do Senado Federal, deixou Corumbá aos 22 anos e chegou em Brasília ainda em construção. Lá, ele reconstruiu a vida, mas nunca esqueceu as raízes.

Ilson foi transferido para a (Unidade de Terapia Intensiva) no dia 24 de julho, e precisou ser intubado quatro dias depois, devido à redução em sua capacidade respiratória. Apesar de apresentar melhora em seu quadro clínico, uma infecção em seu organismo agravou o caso. Ele faleceu no dia 5 de agosto, deixando a esposa, 7 filhos, 16 netos e 8 bisnetos.

José: Tratando de um câncer no cérebro há cerca de 20 anos, o médico oftalmologista José Alberto Rapp, conhecido e querido em Coxim, a 253 quilômetros de Campo Grande, morreu nesta segunda-feira (10), aos 41 anos. O velório acontece na manhã do dia 11. O médico José Alberto atuou em quase todas as unidades públicas da rede municipal, inclusive no Hospital Regional Álvaro Fontoura. Ele era conhecido na cidade e querido por todos os pacientes.

Neusa: A vice-prefeita de Inocência, a 295 quilômetros de Campo Grande, Neusa Dias Junqueira, de 58 anos, é mais uma vítima da Covid-19, o novo coronavírus, em Mato Grosso do Sul. O falecimento foi divulgado pelo prefeito do município, José Arnaldo Ferreira de Melo, nas redes sociais, no dia 9. Segundo o portal Cassilândia Notícias, Neusa começou a passar mal há cerca de 10 dias e teve que ser transferida para Três Lagoas.

Divo Pires Peixoto, um dos integrantes da FEB (Força Expedicionária Brasileira) que engrossou as fileiras de mais de 25 mil combatentes brasileiros que ajudaram os aliados contra o nazifascismo na Segunda Guerra Mundial, morreu aos 100 anos de idade, em Campo Grande. Em nota, a Associação Nacional dos Veteranos da Força Expedicionária Brasileira (Anvfeb-MS), informou que Divo Pires ficou hospitalizado por 14 dias no Hospital Militar de Campo Grande, onde teve uma insuficiência respiratória.

Vicente: O 3º Sargento da reserva remunerada da Polícia Militar, Vicente dos Reis Florentin, de 55 anos, morreu na manhã do dia  21 por complicações do coronavírus. Ele estava internado em Campo Grande em um hospital particular.  Segundo informações divulgadas pelo jornal Alvorada Informa, o militar era hipertenso e diabético, foi intubado, mas não resistiu. O 3º Sargento trabalhou por quase 30 anos como militar. 

Joel:  O policial civil Joel Benites da Silva, de 53 anos, assassinado na tarde do dia 20, enquanto chegava na casa da filha, na região sudoeste de Campo Grande, era do GOI (Grupo de Operações e Investigações) e estava há 30 anos na corporação.Conforme nota oficial da Polícia Civil, ele foi baleado nas costas durante roubo, reagiu e chegou a atingir um dos suspeitos do latrocínio na perna e na barriga. O bandido e um comparsa foram presos pelo Batalhão de Choque da Polícia Militar.

Setembro

Pierre: O jornalista, advogado, leiloeiro e ex-vereador, Pierre Adri, 73 anos, morreu no dia 29, no Hospital da Unimed, onde estava internado devido a complicações no sistema cardiorrespiratório em decorrência da diabetes.

Pierre Adri também atuava como leiloeiro e era responsável por diversos certames em Mato Grosso do Sul. No site oficial, consta que ele atuava há 27 anos no ramo, realizando leilões para órgãos Públicos Federal, Estadual, Municipal, Autarquias, Judiciário e Particulares.

Valter Manginni, de 62 anos, presidente do Esporte Clube Comercial, morreu na manhã desta segunda-feira (28), por complicações do covid-19. Ele foi diagnosticado com a doença na semana passada e estava internado em um hospital particular de Campo Grande. De acordo com as informações, devido a problemas renais, ele estava fazendo hemodiálise. Valter estava sendo medicado e passava bem, mas teve complicações no final de semana, chegou a ser entubado e não resistiu.

Valter estava na gestão do Esporte Clube Comercial desde 2007 e como presidente do clube desde 2017. Neste período, o clube passou da 1ª fase todos os anos e nesta temporada, fará o clássico com o Operário nas quartas de final.

Ronaldo: O subtenente do Corpo de Bombeiros de Mato Grosso do Sul, Ronaldo Soares Ribeiro, 42, morreu em um acidente automobilístico ocorrido na BR-282 em Vargem Bonita (SC) neste sábado (19). O militar morreu na tarde do dia 19 no Hospital Universitário Santa Terezinha de Joaçaba (SC devido a múltiplas fraturas após um grave acidente registrado por volta das 8h50min na BR-282, em Vargem Bonita. Ronaldo Soares Ribeiro conduzia uma motocicleta esportiva BMW S1000 RR com placas de Glória de Dourados, que colidiu frontalmente contra um GM Celta de Treze Tílias (SC).

Paulo:  Músico, conhecido e querido em Chapadão do Sul, a 330 quilômetros de Campo Grande, Paulo Rodrigues da Rosa morreu aos 59 anos, vítima do novo coronavírus. Paulo Missioneiro, como era conhecido na cidade, tinha como comorbidades, como hipertensão arterial e obesidade grau III. De acordo com o boletim da prefeitura, ele apresentou os sintomas da doença no dia 7 de setembro e, no dia 10 foi internado. Ficou em leito clínico até dia 14, quando então, com a piora do quadro clínico, foi transferido para a (Unidade de Terapia Intensiva). Paulo não resistiu e morreu.

Thie:  A ex-secretária estadual de administração, Thie Higuchi Viegas, morreu na manhã do dia 13, em decorrência da Covid-19, o novo coronavírus. Thie era considerada braço direito de André Puccinelli durante a gestão. Higuchi estava internada no Hospital da Cassems desde 21 de julho. Por conta da gravidade, ficou sedada e entubada durante a internação e respirando com ajuda de aparelhos.

Antônio: Morreu,, na madrugada do dia 12, o delegado aposentado Antônio Carlos dos Santos, de 64 anos. Ele estava com coronavírus. O delegado estava aposentado desde 2015. Antônio ingressou na polícia em 1984, quando se tornou delegado de polícia, desempenhando diversas funções na Polícia Civil do Mato Grosso do Sul até 2015, ano de sua aposentadoria. Ele foi diretor do Drap (Departamento de Recursos e Apoio Policial), Diretor de Polícia da Capital e Diretor de Polícia do Interior.

Carlos: O ex-vereador e servidor público aposentado Carlos Alberto Machado, 69 anos, morreu na noite do dia 02, vítima do coronavírus. Ele estava internado no CTI (Centro de Tratamento Intensivo) da Santa Casa de Corumbá, a 444 quilômetros de Campo Grande. O ex-vereador era formado em Ciências Exatas pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), com especialidade em Matemática. Machado era Fiscal Tributário Estadual e por três vezes foi eleito vereador em Corumbá. Como suplente exerceu mandato no Legislativo Municipal, pelo Partido dos Trabalhadores, ao longo de 2018.

Wagner: O major da reserva, Wagner Luiz Cano da Silva morreu devido ao coronavírus na manhã do dia 23, em Campo Grande. O militar ingressou nas fileiras da corporação em 1983, prestou inestimáveis serviços a sociedade sul-mato-grossense e atuou em diversas unidades até ser transferido para a reserva, 30 anos depois. Ele é pai do advogado Silwalter Hagner da Silva, nosso amigo de trabalho, que integra a assessoria jurídica da .

Outubro:

Aroldo: O engenheiro-civil Aroldo Abussafi Figueiró, 67 anos, morreu no dia 29, após complicações cirúrgicas, em Campo Grande. Abussafi também concorreu ao cargo de prefeito de Campo Grande pelo PTN durante as eleições de 2016 e integrou, por três vezes, o Conselho Estadual de Cidades. Engenheiro há 30 anos, supervisionou para o Ministério das Cidades os Planos Diretores Participativos de diversas cidades do Estado. O engenheiro foi o responsável pela criação da Secretaria Municipal de Transporte e Trânsito em Campo Grande, na gestão do ex-prefeito Juvêncio César da Fonseca.

André: O pai do vereador (Avante), Hermes Salineiro, morreu no dia 25 vítima de Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus. A morte foi comunicado pelo filho, em suas redes sociais. Salineiro, que também era candidato a vice-prefeito na chapa do procurador licenciado (Avante), informou que o pai – que trabalhava como gerente administrativo de restaurante – estava lutando há dois meses contra a doença.

Seu Dudu: O bairro Coophasul amanheceu de luto no dia 24. Seu Dudu, proprietário do Bifão do Coophasul, morreu vítima de infarto durante a madrugada. Nas redes sociais, amigos, vizinhos e conhecidos lamentaram a perda. “Uma grande perda, para nosso bairro e toda nossa Campo Grande, pois a cidade toda conhecia o afamado Bifão. Descanse em paz, Seu Dudu!”, escreveu Edinaldo Moreira, presidente da Associação de Moradores.

Pedro:  Ex-prefeito de Aquidauana, Pedro Ubirajara, 84, morreu no dia 09, em Campo Grande. Pedro estava em Campo Grande em tratamento para Alzheimer e faleceu de morte natural. Ubirajara nasceu em Aquidauana, cursou medicina no Rio de Janeiro e iniciou a carreira como médico em Campo Grande em 1966, publicou o site O Pantaneiro. Filiado ao partido Arena, foi vice-prefeito por dois mandatos e prefeito de Aquidauana também por dois mandatos, de 1976 a 1982. Depois foi eleito vereador nos anos de 1988 e 1996.

Luiz: O ex-delegado geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Luiz Roberto Rosalim, morreu no dia 6, em Campo Grande. Ele tinha 67 anos e estava internado no hospital Clínica Campo Grande desde sexta-feira (2) com quadro infeccioso. Em nota, a Polícia Civil lamenta o falecimento do delegado aposentado, que ingressou na carreira em 1979. Rosalim atuou em várias delegacias de Campo Grande, exerceu cargo de diretor de departamentos e, por fim, chegou ao cargo máximo como delegado geral.

Novembro

José: Faleceu no dia 22 o diácono José Cândido Pessoa de Mello. Ele foi um dos pioneiros na PIB (Primeira Igreja Batista) e também foi responsável pela implantação Seminário Teológico Batista e também foi o criador da SSCH (Sociedade Seleta Caritativa Humanitária de Dourados). O diácono também era considerado uma referência histórica para os membros da Igreja Batista na cidade. Como acompanhou o início das atividades, era reconhecido com um pesquisador e sabia detalhes relacionados às primeiras ações religiosas e sociais de Dourados.

Antônio: Morreu na madrugada do dia 21 Antônio Amaral Cajaíba, ex-vereador em Glória de Dourados, distante 280 km de Campo Grande. Ele sofreu uma picada de cobra jararaca. Conforme relato de familiares, o ex-vereador estava dormindo, no sítio da família, em Dourados, quando a cachorra começou a latir. Ao acender a lâmpada, ele pisou na cobra e foi picado.

Ele ainda conseguiu dirigir até a cidade em busca de atendimento médico. Assim, foi atendido e internado em uma (Unidade de Terapia Intensiva) com falência nos rins. Entretanto, não resistiu e faleceu.

Onevan: O deputado estadual e candidato a prefeito de Naviraí, Onevan de Matos, morreu aos 77 anos no dia 13, em São Paulo.  Internado em hospital de São Paulo, Onevan se recuperava de uma infecção respiratória, contraída após ele se curar do coronavírus. Mais cedo, o deputado estadual era submetido a processo chamado de desedação, diminuindo medicação para retirada de aparelhos e permitindo que ele acordasse.

Jayme: O pastor evangélico, pecuarista e ex-deputado federal constituinte, Jayme Paliarin, 88, faleceu vítima de um infarto no dia 11. Natural da cidade de Espírito Santo do Pinhal (SP), o ex-deputado federal constituinte pelo PTB de São Paulo vivia em Bonito, cidade a 297 quilômetros de Campo Grande, onde era pecuarista. Jayme Paliarin foi vereador por Bauru (SP) duas vezes, de 1965 a 1969 e de 1969 a 1973 quando foi presidente da Câmara Municipal da cidade. Posteriormente, Paliarin foi deputado federal constituinte de 1987 a 1991.

Ely: Um dos ícones da educação e esporte de Mato Grosso do Sul, Ely Ferreira de Castro morreu de falência múltipla dos órgãos, na manhã do dia 7, aos 77 anos. A professora e treinadora estava internada desde o último dia 28 no Hospital da Unimed, em Campo Grande. Diversos ex-alunos e atletas usaram as redes sociais para lamentar a partida da professora. Ícone do voleibol, Ely era filha de Lucas Ferreira, também  atleta e pioneiro em corridas de rua no Estado, e irmã do corredor de rua veterano João Pica Pau. A treinadora fez parte da equipe de voleibol vencedora dos jogos Noroestino, sendo percussora do voleibol em Campo Grande.

Roberto: O governador de Mato Grosso do Sul, Reinaldo Azambuja (PSDB), decretou luto oficial por três dias após a morte do ex-deputado estadual e ex-secretário de estado de Justiça Roberto Orro. O político morreu no dia 23. Advogado, Orro é pai do deputado estadual Felipe Orro (PSDB). Ele iniciou a carreira política como vereador em Aquidauana, sendo eleito para a 1ª legislatura da Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul), cumprindo mais três mandatos parlamentares.

Foi eleito segundo suplente do senador Saldanha Derzi em 1986, pelo PMDB. No ano seguinte, assumiu o comando da Secretaria de Estado de Justiça, no governo de Marcelo Miranda Soares.

 

 

 

 

 

 

 

#Retrospectiva 2020: Relembre personalidades de MS que nos deixaram este ano
Mais notícias