Pioneiro da cardiologia em MS, Alfredo Pinto de Arruda lança livro em Campo Grande

O médico Alfredo Pinto de Arruda, pioneiro da cardiologia em Mato Grosso do Sul, lançou o livro : “Lembranças e Sonhos” na noite desta quarta-feira (21) no Novotel em Campo Grande.

Alfredo Pinto de Arruda é formado na Faculdade Nacional de Medicina da Praia Vermelha, no Rio de Janeiro (RJ), professor da UFMS (Universidade Federal de Mato Grosso do Sul), fundador do Proncor, ex-secretário municipal de Saúde de Campo Grande e ex-secretário estadual de Saúde e chefe de Gabinete do ex-governador Pedro Pedrossian.

Foto: Leonardo de França

“Nunca tive a pretensão de escrever livro nenhum porque não é a minha praia. Eu sou médico, mas eu gosto de contar história e na minha cidade natal tem muitas. A minha mãe, meu bisavô e minha bisavó me contaram muitas histórias da cidade e das pessoas que faziam parte dela. Isso me motivou a começar a escrever contos para minha própria lembrança, como se fosse um acervo. Os meus colegas de estudo de Filosofia e História sempre me pediram para publicar um livro com essas minhas histórias e, agora, aí estão elas”, disse.

A respeito do título da obra, o médico e escritor diz que escolheu o nome devido às belas histórias, pensadas e vividas. “Dormem e dormirão juntos para sempre as lembranças e os sonhos”.

Foto: Leonardo de França

Publicada pela Life Editora, o livro narra sua história, desde a infância em Cáceres (MT), cidade onde nasceu, até os dias atuais em Campo Grande. Na obra de 234 páginas, o médico relata momentos marcantes de sua vida, distribuídos em três fases: a infância no Pantanal do Mato Grosso; os estudos na Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro; e os anos de muito trabalho e, porque não dizer, de muitas alegrias em Campo Grande.

Na primeira parte do livro relata os anos de 1950, quando ainda vivia em Cáceres, trazendo um pouco dos “causos” narrados pelo seu avô Manoel Garcia, bem como os de sua mãe Adelina Garcia, a “Dona Gica”. O livro também fala sobre o pai do autor, José Pinto de Arruda, mais conhecido como “Zé Pinto”, um homem de visão amazônica que deu asas aos filhos para que tivessem uma formação profissional.Foto: Leonardo de França

Já a segunda parte de “Lembranças e Sonhos” é dedicada aos anos vividos na “Cidade Maravilhosa” para cursar Medicina. No começo, como revela Alfredo Arruda, encontrou dificuldade para se adaptar porque a selva de pedra é bem diferente do Pantanal, mesmo assim conseguiu vencer e concluir a faculdade, fazendo questão de transcrever no livro o perfil de cada colega e de cada professor que teve nos anos em que passou no Rio de Janeiro.

Reprodução

A terceira e última parte da obra é focada na vida em Campo Grande, onde trabalhou pensando na comunidade, mas se deparou com pessoas que não pensavam em outra coisa que não fosse dinheiro. “Fiz minha carreira na Medicina aqui na Capital, fui secretário municipal de Saúde, professor universitário por 35 anos, ajudei a montar o HU (Hospital Universitário) e fui secretário estadual de Saúde no Governo de Pedrossian, de quem fui muito amigo. Também fundei o Proncor”, recordou o cardiologista.

Alfredo Arruda destaca que, como médico, teve a oportunidade única de ver os doentes desnudos, física e espiritualmente, e, alguns deles, conseguem ver e sentir o verdadeiro valor da vida. “Prossigo minha vida fazendo o que eu sempre gostei de fazer: sou médico por inteiro. Passo noites preocupado com meus pacientes e levo para casa essas preocupações com o sucesso ou não dos tratamentos. Aprendi que na vida se faz o que é possível e devemos nos vangloriar disso. O que é incompatível é a omissão”, destacou.

 

Mais notícias