Festa e axé: Escola Unidos do Aero Rancho transforma Avenida em pedaço da Bahia

Folia de Reis e Senhor do Bonfim se misturam com a cultura gastronômica na busca pelo título de campeã

Estado mais querido do Brasil nas folias de Momo, a Bahia invade Campo Grande durante a passagem da Unidos do Aero Rancho pelo sambódromo. “Bahia é aqui meu rei, muitas festanças e axé” foi o samba-enredo escolhido pela Verde e Branco para conquistar o coração dos jurados e foliões do Carnaval 2019.

A secretária-geral e coordenadora do Carnaval da Escola de Samba, Silvia Cerqueira, explica que a Unidos do Aero Rancho vai desfilar a realidade da Bahia em Mato Grosso do Sul. Para isso, a agremiação conta com o apoio estratégico de verdadeiros baianos que escolheram o Estado para viver.

A Escola viajou pelos 4 cantos de Mato Grosso do Sul em busca de figuras emblemáticas do Estado nordestino. E, nas riquezas da terra do axé, a agremiação vai levar para a Avenida desde as heranças do Senhor do Bonfim até as cores e sabores da cultura gastronômica.

O cheiro do azeite de Dendê misturado com a alegria da Folia de Reis vão ser um reforço a mais para o tradicional show de dança, marca registrada, do mestre-sala e porta-bandeira da Escola de Samba.

A Comissão de Frente comandada por Tero Queiroz promete ser um espetáculo à parte. O ator deve fugir do óbvio e abrir o desfile com apresentação teatral na combinação perfeita de arte e cultura.

A Escola de Samba Unidos do Aero Rancho nasceu de uma brincadeira feita por 12 foliões apaixonados pelo Carnaval. Os moradores se reuniam pelas ruas do bairro para comemorar a folia de Momo e, em 1991, decidiram legalizar o “bloco” e transformar em Escola de Samba. Alberto Vieira de Mattos assumiu a presidência 6 anos depois e até hoje comanda a Verde e Branco.

Símbolo de resistência, tradição e poder, as Abayomi abrilhantam a Escola que se apresenta com cerca de 400 integrantes divididos em 3 carros alegóricos e 8 alas. A boneca nasceu na época da escravidão quando era confeccionada pelas mulheres negras a fim de acalentar os filhos durante as longas viagens a bordo dos navios que transportavam escravos da África para o Brasil.

“Como não tinha tesoura, as mulheres rasgavam com a unha um pedaço de saia e criavam essa boneca sem rosto. O brinquedo servia para meninos e meninas. No lançamento do samba-enredo distribuímos mais de 100, cada uma de forma diferente. Cada uma é criação única, como se tivesse vida”, explica Silvia.

Quando passa o período do Carnaval, a agremiação não para. A Unidos do Aero Rancho desenvolve um trabalho de assistencialismo humanitário na Capital. Em prol dos necessitados, a Escola realiza projetos sociais como aula de teatro e percussão, além das convencionais festas juninas, do dia das crianças e da primavera.

A coordenadora do Carnaval relata que, apesar do esforço dos organizadores, algumas pessoas ainda deixam de desfilar por criarem tabus sobre a festa.

“Alguns pensam que precisa pagar pela fantasia ou que não sabem dançar. Quando a bateria da Escola começa a tocar, o ritmo invade a Avenida e os foliões automaticamente ficam contagiados e vão no embalo. O som motiva e quem não sabe aprende.”

Os ensaios da bateria comandada pela Rainha Elysa Cerqueira, também uma das compositoras do samba-enredo, são feitos de terça-feira a sábado das 14h às 17h no barracão da Unidos do Aero Rancho, Rua Charlot, 216, no Setor 5.

 

Confira o samba-enredo:

Ê parana paranauê…

Ê parana paranauê…

A Bahia com seus deuses, sabores e magias

O Aero Rancho vem mostrar para você

 

Tem xinxim, acarajé

Tem pimenta e vatapá

Tem a baiana girando na roda

Toda toda prosa para desfilar

 

As festas do meu Nordeste,

Tem alegria, tem cultura e tem calor

Folia dos reis e do senhor do Bonfim

Água de cheiro, um batuque com nagô

 

A Bahia no meu Centro-Oeste

criou raiz, mas não modificou

Bahia dos meus santos

Bahia meu amor

Bahia de São Salvador

 

Ogum com sua força e justiça

Vem trazendo sua proteção

A Verde e Branco descendo a avenida

traz alegria pro meu coração

 

Toque o tambor para Ogum, beira-mar

Toque o tambor pra Iansã (Mojubá)

Toque o tambor pra Rainha das Águas

Salva, salve mãe Iemanjá