Estreia de ‘O Rei Leão’ vira programa em família para adultos e crianças

Espectadores acreditam que remake leva o Oscar

Não foram só as crianças que lotaram as salas dos cinemas na estreia de ‘O Rei Leão’, nesta quinta-feira (18). Muitos adultos aproveitaram a versão híbrida do filme, entre live-action e animação, para reviver a emoção da história do pequeno Simba. Até quem ainda não assistiu um dos principais clássicos da Walt Disney, também aproveitou o primeiro dia de exibição do remake para matar a curiosidade.

Frederico Reis tinha 20 anos quando a primeira versão do longa foi lançada, em 1994. Agora, o funcionário público aproveitou a releitura com técnicas avançadas de computação gráfica e trouxe toda a criançada da família para o shopping.

Enquanto aguardavam na fila da pipoca, os pequenos quase não conseguiam conter a ansiedade. Entre as 7 crianças que estavam com Frederico, algumas ainda não tinham visto a versão original do desenho, o que acelerou ainda mais os ânimos.

“Trouxe o meu filho, uns sobrinhos e até a amiguinha da escola da minha sobrinha. Os menores ainda não assistiram a primeira versão e estão bem animados.”

Na família de Patrícia Golzi, de 43 anos, cinema é um dos programas preferidos. A moradora de Ribeirão Preto (SP) aproveitou as férias escolares para viajar e reunir mãe, filhos, cunhada e sobrinhos em um só passeio. Até o mais pequenininho da trupe, de apenas 1 ano e 7 meses, estava empolgado para ver o filme do leão.

Patrícia conta que trabalhava em uma videolocadora e chegou a perder as contas de quantas vezes assistiu o desenho do “O Rei Leão”. Além de filmes, ela também incentiva os filhos a lerem os clássicos na versão impressa.

“A Walt Disney tem uma produção fantástica. Vim para cá só para vermos todos juntos, estou sempre incentivando meus filhos e sobrinhos a irem ao cinema, lerem livros. Já assistimos Toy Story, Aladim, Turma da Mônica e o próximo é A Pequena Travessa.”

Quem não tem criança em casa também deixou a vergonha de lado e não perdeu a chance de recordar as aventuras de Timão e Pumba. Alessandra Roberta, de 42 anos, conta que “ficou louca” quando descobriu que ia ser lançado a versão híbrida de um dos seus filmes preferidos. Sem perder tempo, chamou a mãe e juntas compraram ingressos para a sessão das 16h45.

“Eu amo Timão e Pumba e quero me surpreender com as animações. Na minha época, eu via em fita VHS. As crianças que tinham lá em casa já cresceram, então eu vim com a minha mãe, de 60 anos. Estamos aqui batendo foto no painel do Simba enquanto não começa”, brinca.

Apesar de raro, houve também quem assistiu a história pela primeira vez, nesta quinta-feira. Este foi o caso da fisioterapeuta Caroline Albuquerque, de 40 anos, que deixou para matar a curiosidade ao lado dos filhos Camily, de 13 anos, e Eduardo, de 5. A moradora de Campo Grande conta que só tinha visto algumas partes da história em desenho e, depois da sessão na nova versão, achou o filme sensacional.

“Valeu muito a pena. Passa uma linda mensagem e eu fiquei muito emocionada porque ainda não conhecia a história completa. Essa nova reprodução com toda a tecnologia é incrível. No final do filme, todo mundo aplaudiu. A computação gráfica deixou tudo muito real, acredito que vai levar o Oscar.”