Escritora douradense recebe prêmio nacional e internacional no Paraguai

Aurineide Alencar de Freitas Oliveira foi agraciada com a premiação em função de sua contribuição à literatura de Cordel

A escritora cordelista Aurineide Alencar de Freitas Oliveira, nordestina e residente em Dourados-MS, em reconhecimento por sua trajetória na divulgação da Literatura de Cordel, recebeu o prêmio Nacional e Internacional “TACURÚ PUCÚ DE ORO”, entregue no âmbito do “I Encontro de Literatura Moderna y Congresso Científico Liberoamericano de Educadores”, realizado na cidade de Hernandarias Paraguai, entre 4 a 7 de julho de 2019.

O prêmio foi entregue por Rubén Amâncio Rojas Ferreira, prefeito municipal de Hernandarias, na noite de 6 de julho, véspera do aniversário de criação de Hernandarias como distrito, em reconhecimento à carreira Acadêmica, Artística, Literária e Cultural de 50 personalidades e instituições do país e do exterior.

Fonte: Arquivo Pessoal

 

‘TACURÚ PUCÚ’ é o nome de origem da cidade de Hernandarias, situada no Alto Paraná, no Paraguai, há mais de 400 anos. Em homenagem e resgate da origem da cidade de Hernandarias, houve a premiação para escritores e artistas com mais de 20 anos em sua trajetória cultural.

Encantada por Cordéis

Aurineide Alencar utilizou da Literatura de Cordel como um auxiliar no processo de alfabetização. O contato com a leitura começou aos 7 anos, soletrando com a mãe numa Carta de ABC e fazendo os primeiros números da tabuada. Entrou em um Grupo escolar, já alfabetizada e lendo os folhetos de cordéis para o pai, mãe e avós. Da 4ª série em diante passou a estudar na cidade, onde os principais livros que lia sempre foram os livretos de cordéis, os quais fazem parte da cultura nordestina.

A escritora é embaixadora da Paz e adepta da Literatura de Cordel, possui 5 livros publicados (Nas veredas do cordel, Vida em Versos , Mato Grosso do Sul nas Asas do Cordel, Pescador de Cantos e Embrenhando-se em Cordel) e mais de noventa folhetos de cordéis e quinze desafios com a escritora e poetisa: Odila Schwingel Lange, com a qual formou a dupla: Óxente & Tchê.

Fonte: Arquivo Pessoal

Participou em mais de quarenta Antologias, nacionais e internacionais, recebendo diplomas e prêmios em muitos concursos literários. Entrou para a Academia de Letras a partir do primeiro livro publicado: Nas veredas do CORDEL, através de Concurso Literário, e se tornou membro efetivo da Academia Douradense de Letras, Academia de Letras do Brasil Seccional Mato Grosso do Sul e Academia Feminina de Letras e Artes do Mato Grosso do Sul.

Aurineide também é membro correspondente da Academia de Letras de Teófilo Otoni Minas Gerais, Academia de Literatura de Cordel do Rio Grande do Norte e da União Brasileira de Trovadores de Juiz de Fora Minas Gerais.

“É uma emoção muito grande, pois eu lutei muito, enfrentando muitas vezes o preconceito por estar divulgando uma cultura popular. Hoje eu vejo que valeu muito a pena não ter desistido, assim como algumas pessoas me aconselharam. A Literatura de Cordel agora tem o seu lugar merecido como Patrimônio Cultural Imaterial Brasileiro. E é isso que me faz querer continuar levando essa riqueza além de nossas fronteiras”, reiterou a escritora ao Jornal Midiamax.

Mais notícias