Artista de MS passa em escola portuguesa de circo e cria vaquinha para realizar sonho

Casal precisa levantar R$ 15 mil para ajudar nas despesas de passagens e estadia

Tecidos, arcos, acrobacias e cambalhotas fazem parte da rotina profissional da atriz e artista criada em Campo Grande Nathalia Gomes Maluf. Mas, apesar do mundo circense encantar adultos e crianças, a especialização ainda não é acessível para a maioria e demanda disciplina de quem busca o sonho de ser reconhecido mundialmente.

Nathalia e o músico, Pedro, quase não acreditaram quando foram selecionados no mês passado para entrar em uma escola circense de Portugal. O casal passou por uma seletiva e foi aprovado, na modalidade mão a mão, para cursar durante 2 anos a Salto International Circus School.

Integrado no Aero Clube da Maia, clube de ginástica da Europa formado por medalhistas, a Escola requer muito mais que disponibilidade integral e força de vontade dos alunos. Agora, para custear a viagem e patrocinar o sonho da especialização internacional, os artistas abriram uma vaquinha online onde pretendem arrecadar cerca de R$ 15 mil até janeiro do ano que vem.

O amor pelo circo desabrochou na vida da jovem, de 24 anos, ainda na infância. De forma despretensiosa, a garota aprendeu subidas básicas em tecidos durante aulas circenses para iniciantes, mas nunca imaginou que a arte serviria como farol na trilha do caminho adulto.

“Aos 18 anos comecei a fazer mochilão por diversos Estados e conheci muita gente de circo. Ficava treinando em espaços ou ocupações, quando dava. Foi em uma dessas viagens que conheci o Pedro, que estava viajando com a música.”

A jornada pelo mundo precisou ser pausada, em 2014, quando o pai de Nathalia infartou e ela voltou para a Capital de Mato Grosso do Sul. Nesta mesma época, Pedro também estava na cidade a trabalho e foi, a partir daí, que o romance entre os artistas engatou.

“Cerca de 3 anos depois nos mudamos para Londrina, no Paraná, e começamos a desenvolver juntos a modalidade circense chamada mão a mão. Além disso, me desenvolvi em lira acrobática e o Pedro em acrobacia de solo.”

Após muito equilíbrio e calos nas mãos, os artistas se tornaram professores de circo, onde ministram aulas de acrobacias de solo, portagens, malabares e outras modalidades da arte. A chance de entrar para a escola portuguesa de circo é, segundo Nathalia, o que ela almeja para a carreira profissional.

“Vai abrir as portas para novos horizontes, é uma oportunidade de depois ser reconhecido como profissional daquela área. Todas as vezes que vamos para Mato Grosso do Sul dar oficinas de circo, sempre ministramos a parte mais técnica. De um tempo para cá que começamos a casar o corpo cênico com o do circo.”

Caso consiga levantar o dinheiro para ajudar na realização deste sonho, a jovem engrossará a classe artística que usar a arte como ferramenta de luta e resistência.

“Tenho respeito pelo circo tradicional, mas quando falo do contemporâneo sinto que minha identidade está ligada a isso. Nele posso casar com o teatro porque acredito muito nessas artes como instrumento de resistência, de luta. Nosso embarque será em janeiro, minhas aulas já começaram, mas consegui conversar com a direção da escola e explicar a situação.”

Quem quiser ajudar o casal de artistas pode participar da vaquinha online clicando no site oficial. Já a conta para depósito de qualquer quantia é Agência 0017, Op 013, Conta poupança 00054936-8.